O “desvio” da RTP na Guiné

O delegado da RTP na Guiné-Bissau, Fernando Gomes, deixa amanhã o país. Depois de a Sábado avançar com a notícia da sua expulsão, na terça-feira, surgem agora mais detalhes, revelados pela Lusa. O ministro guineense da Presidência do Conselho de Ministros e porta-voz do governo de transição, Fernando Vaz, escreveu uma carta a Alberto da Ponte ea Miguel Relvas a pedir a substituição do jornalista por existir um “desvio” do fim para que a televisão portuguesa foi aceite em Bissau. O que só fica bem ao jornalista e à RTP. Este é o take da Lusa:

“O governo de transição da Guiné-Bissau considera que houve “um desvio claro do fim” para o qual a representação da RTP foi aceite no país, pelo que pediu a substituição do delegado, Fernando Gomes.

Fernando Gomes era até agora o delegado da RTP em Bissau mas deixa o país na próxima sexta-feira, na sequência de uma carta do governo de transição pedindo a substituição do delegado.

A carta, a que a agência Lusa teve acesso, tem data de 15 de outubro e é dirigida ao presidente do conselho de administração da RTP, Alberto da Ponte, com conhecimento do ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas. Foi assinada pelo ministro da Presidência do Conselho de Ministros do governo de transição da Guiné-Bissau, Fernando Vaz.

Em três parágrafos, Fernando Vaz agradece “os esforços que a administração da RTP tem feito para garantir o funcionamento e difusão das informações quotidianas” da Guiné-Bissau, contando para o efeito com uma representação em Bissau.

“O governo da Guiné-Bissau reconhece o trabalho que tem sido desenvolvido pela aludida representação desde a sua instalação em Bissau”, diz a carta, que acrescenta: “Entretanto, o governo lamenta constatar um desvio claro do fim para que a representação foi aceite no país, impulsionado pessoalmente pelo atual delegado na pessoa do senhor Fernando Gomes”.

“Nestes termos” o governo “agradece a amabilidade” de Alberto da Ponte “no sentido de tomar medidas que julgar necessárias para substituir o mais rápido possível o atual delegado” da RTP na Guiné-Bissau, conclui a carta.”

 

4 thoughts on “O “desvio” da RTP na Guiné

    • Era sem tempo! Um jornalista deve tratar a informação com total isenção, respeitando o código Deontológico profissional. Um Jornalista deve relatar os factos com rigor e exatidão e interpretá-los com honestidade, deve ainda ter capacidade de transmitir os fatos com correção, de forma clara e concisa, sem parcialidades.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s