A fuga

A 3 de Janeiro de 1960, 10 funcionários do Partido Comunista Português fugiram da Fortaleza de Peniche. A fuga tornou-se um dos episódios mais ímpares da história do PCP. Pela vitória sobre a ditadura salazarista. Pelo regresso à liberdade de importantes quadros clandestinos. E, sobretudo, pelo fim do cativeiro do futuro secretário-geral do partido, Álvaro Cunhal, que tinha passado os últimos 11 anos atrás das grades.

Apesar da sua importância, na época a fuga passou despercebida à esmagadora maioria da população e só foi conhecida nos círculos políticos, policiais e do próprio PCP clandestino. No entanto, hoje, é importante que o feito desdes homens continue a ser recordado. Porque foi também graças à luta deles – independentemente de simpatias ou antipatias ideológicas – que vivemos numa sociedade democrática. Para memória futura, ficam aqui os nomes dos elementos do grupo: Álvaro Cunhal, Joaquim Gomes, Jaime Serra, Carlos Costa, Francisco Miguel, Pedro Soares, Rogério de Carvalho, Guilherme Carvalho, José Carlos, Francisco Martins Rodrigues.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s