Os ódios fáceis

Aconteceu nos últimos dias. Duas vezes. Ambas relacionadas com EUSÉBIO. A primeira vítima foi José Sócrates (não me diz muito): depois de dizer na RTP que se lembrava de assistir ao relato do jogo entre Portugal e a Coreia do Norte, em 1966, quando ia a caminho da escola, o ex-primeiro-ministro foi acusado nas redes sociais de mentir com quantos dentes tinha. Porquê? Porque o jogo foi a 23 de Julho, um sábado – e à tarde.

Ontem passou-se o mesmo com o Benfica (já me diz muito). Foi posta a circular na internet uma fotografia com um segurança a segurar vários cachecóis do Sporting. Rapidamente o clube foi acusado de estar a desrespeitar todos aqueles que, sendo adeptos de outra agremiação, tinham ido prestar homenagem ao jogador.

Em ambos os casos as mensagens estavam carregadas de ódio e de insultos. Mas afinal parece que nenhuma teria razão de ser. Ainda ontem, horas depois de a imagem ser partilhada nas redes sociais, o Benfica explicou que algumas pessoas tinham tentado vandalizar os cachecóis de outros clubes colocados junto à estátua de EUSÉBIO. Por isso, alguns estavam a ser removidos até ser construída uma estrutura que protegesse a estátua e as ofertas de adeptos de todos os clubes. Quanto a José Sócrates, parece que afinal, não só em 1966 haveria aulas de manhã como à tarde os alunos tinham actividades escolares. Mais: as aulas só terminavam no fim de Julho. 

Ou seja, nem Sócrates (diz-me pouco) nem o Benfica (diz-me muito) eram culpados. Pelo contrário. Culpados são todos aqueles que assumem que tudo o que lêem na internet é verdadeiro. E não hesitam em comentar, criticar, acusar, insultar sem ter a certeza de o que está em causa é verdadeiro. Ou de reflectir um pouco. É o mais fácil. É por isso que a internet é uma coisa maravilhosa. Está acessivel a todos. Mas é preciso ter cuidado. Nem tudo o que por aqui anda é verdadeiro.

fotografia 1

14 thoughts on “Os ódios fáceis

  1. Excelente post, que acabo de reler porque em poucas linhas diz muito.
    E espero que chegue a muitos.
    Porque há coisas que merecem algum rigor. E o rigor, seja aqui, na análise de noticias, de factos, de declarações, de acontecimentos, de comentários a acontecimentos, etc. etc., seja noutras matérias) às vezes leva algum tempo.
    E o “tempo” da Internet é outro… na ânsia de “escrever” um post, de “comentar”, de “responder”, perde-se a objetividade. Alguns nunca a tiveram. Mas é grave ver quem tem (ou deveria ter, pelo menos) e não a usa.
    Não é só aqui, mas também na justiça, etc. etc.
    Um bem haja pelo teu post de hoje (e já agora, por tantos outros, e aproveitando a ocasião, pela mera existência do teu blog), que acompanho com prazer diário.
    Long Life “Informador”,

    cumps. joão castro

  2. Carissimo,
    depois de uma licenciatura acabada com uma frequência a um domingo (caso Socrates, que não me diz nada), depois daquele apagão miseravel no jogo com o FCP (caso do Benfica, que me diz muito) não é de estranhar o que comenta. Não lhe parece?

  3. ou seja, em ambas as situações há/houve comportamentos/atitudes precedentes que justificam o facilitismo que evoca. Digo eu.

    • Meu caro, parece-me que o facilitismo não tem justificação – apesar de ser muito fácil cair nele. Claro que os antecedentes que evoca (com razão) têm influência. Mas não podem servir de justificação. Porque nem tudo o que Sócrates diz é mentira, nem tudo o que esta direcção do Benfica faz é condenável. Caír na generalização é que é perigoso. A questão de fundo é: pode acontecer a qualquer um ser vítima de uma coisa destas.

  4. Bom comentário. E educativo para quem quiser ainda que simplesmente nas linhas e que não se preocupe muito em reter “o significado do verbo”. Esta e outras do tipo de julgar sem saber e sem pensar faz-me lembrar do provérbio chinês: “Quem acredita em tudo o que lê, antes não tivesse aprendido a ler”. Serão necessárias mais palavras?

  5. Sim, em 1966, na Covilhâ já havia actividades extra-curriculares de EVT onde se davam aulas de Internet indispensáveis ao nosso querido menino Sousa para 50 anos mais tarde brincar aos Magalhães.

    Pensar que uma pessoa inteligente como o ntp consegue escrever este post sem trocar as letras de tanto rir é que me espanta,

    P.S. Atenção que eu não sei quem é o ntp… mas se é do Benfica é inteligente

    • Meu caro,
      Na parte que me toca, obrigado pelo elogio – que retribuo. Quanto às aulas extra-curriculares que haveria ou não em 1966, como não as frequentei, muito menos na Covilhã, só posso dizer que não tenho certezas – e que isso me impede de partir para o insulto a quem quer que seja. É isso que está em causa neste post: a facilidade com que algo que não se sabe se é verdade ou mentira se torna uma verdade inquestionável.
      Abraço

  6. Hoje em dia parece moda ter um blog. Tudo se pode dizer…Ao que chegou a democracia.
    Muito se tem falado acerca de Eusébio. Tenho muito respeito por este grande jorgador.
    Mas à semelhança de tanta asneirada que tem saido da boca de alguns governantes, algumas asneiradas e insultos também sairam da boca de jogadores de futebol.
    Apesar de vivermos em democracia existem limites a certos comentários que só demonstram falta de senso comum.

  7. Fui aluno na Escola Industrial da Póvoa de Varzim nos aos de 60 a 66 e não me lembro de em Julho ter aulas extras Curriculares e ainda mais ao Sábado. Quanto ao Eusébio tem valor para ser um símbolo Nacional. Jogador extraordinário e reconhecido em todo o Mundo.

  8. Compreendo que pretenda defender seus interesses e sua opinião mas lhe devolvo seu comentário pois deveria, como sugere, ter algum cuidado em conferir as situações.
    Na data do jogo descrito de Portugal com a Coreia foi de facto um sábado à tarde e nessa época estavam as actividades curriculares de férias e não existiam quaisquer actividades oficiais extra curriculares … não me consta que existissem exclusivas para esse aluno mas com ele já pouco me admira … além de que o Sócrates teria 9 anos nessa altura.
    Quanto aos cachecóis pela informação veiculada pela direcção do Benfica foram retirados para não serem destruídos, intenção que acho correcta mas não recordo de ver após a obra de protecção que os referidos cachecóis tivessem sido colocados na mesma ou se o foram não ficaram visíveis, o que já não me parece ser uma acção digna.

Deixe uma Resposta para joão luís de carvalho castro Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s