EUSÉBIO, Sócrates e a doença nacional

As últimas páginas do Público e do Diário de Notícias de hoje valem o preço pago por todo o jornal. No primeiro, o Vasco Pulido Valente escreve sobre EUSÉBIO e o Panteão. No segundo, o Ferreira Fernandes sobre a doença nacional que é escrever sobre nada.

Sobre a Doença

Agora, devagarinho. Esta crónica não é sobre Sócrates. Aliás, a de ontem também não. Esta crónica é sobre uma doença mental. E a de ontem também. Esta semana, Sócrates falou, como tanta gente, sobre Eusébio e “eu”. Não disse nada de empolgante: que foi na escola que ele comemorou, tinha 8 anos, o jogo Portugal-Coreia do Norte. Sobre o âmago do assunto, Eusébio, li muito melhor. Na caixa de comentários do Guardian, um leitor lembrou a história que o seu pai sempre contara: que, em miúdo, vira o Eusébio no estádio de St. James” Park, em Newcastle, jogar de luvas, “era a primeira vez que via neve”, e marcar um belo golo de livre. No domingo, o filho disse ao pai que o “grande homem” morrera. Então, o pai repetiu a história e os por-menores. Ora, no ano passado, o Benfica jogou com o Newcastle e o filho soube que o Benfica e Eusébio nunca tinham estado em St. James” Park. No domingo, o filho rematou: “Não tive a coragem de dizer ao meu pai a verdade.” Ele escreveu heart, que em inglês quer dizer, além de coragem, coração. Reparem, ele não cobrava ao pai a inverdade, o pai baralhara memórias, como tantas vezes fazemos às antigas e por vezes às mais queridas. José Sócrates não baralhou a memória, o essencial do que disse já se confirmou – alguns garotos da Covilhã iam para o pátio da escola mesmo aos sábados e nas férias. O problema aqui não é Sócrates e o seu testemunho vulgar. O problema foi o alarido sobre esse nada. Esse nada, nada. Cometeram-no um diretor de jornal, um eurodeputado, blogues e o jornal mais vendido, patrulhando uma memória velha de 47 anos do que aconteceu a um miúdo de 8. Mesmo se ele se tivesse enganado merecia só um sorriso. A sanha persecutória, essa, sim, é doentia. Aliás, ela é a doença. Uma obsessão. Há três anos, ela diabolizou um lado a ponto de ter impedido o que era então necessário e o Presidente diz, só agora, ser necessário: um esforço conjunto para combater a crise. A doença já nos cegou uma vez. E a minha memória é exata.”

fotografia (24)

One thought on “EUSÉBIO, Sócrates e a doença nacional

  1. O problema é que o Sócrates tem sempre datas *esquisitas * para as coisas importantes da sua vida! Por ex. Estavamos sem dinheiro para pagar vencimentos no mês seguinte…e ele achava que ainda era cedo para pedir ajuda….
    tem os tempos trocados….não falando noutras datas de domingos….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s