1999-2007: o buraco negro na vida de Passos Coelho

Costuma dizer-se que, em política, é mais importante parecer sério do que ser sério. Passos Coelho sempre o pareceu. Aliás, fez mais do que isso. O primeiro-ministro é o homem que vive em Massamá. Aquele que passa férias numa casa alugada num local simbolicamente chamado Manta Rota. O asceta que tem uma vida remediada. O político que prefere ler os discursos do papel em vez de usar o teleponto. O objectivo é claro: contrastar com o antecessor na liderança do país. Passos Coelho parecia ser sério. E tem usado essa áurea de seriedade para impor sacrifícios ao país. Nada indicava que não o era.

O problema é que a realidade tem o hábito de vir ao de cima. E os episódios sucederam-se. Primeiro foi o eventual favorecimento da Tecnoforma, empresa da qual era consultor, quando Miguel Relvas era secretário de Estado, entre 2002 e 2004. Depois foi a revelação de que, além de consultor, afinal Passos foi também administrador da mesma empresa. Seguiu-se a notícia de que, afinal, Passos Coelho, ainda deputado do PSD, foi o impulsionador de uma ONG ligada à Tecnoforma cujo objectivo era obter financiamentos destinados a projectos de cooperação. Problema: na época, Passos Coelho era deputado em regime de exclusividade. E isso levantou a questão: foi ou não pago pelo trabalho à frente do Centro Português para a Cooperação? Ele não negou ter recebido dinheiro. Houve ainda outro detalhe: ele disse que tinha exercido o mandato de deputado em exclusividade; o Parlamento  desmentiu-o. Mas, em 1999, recebeu um subsídio de reintegração por ter exercido funções em regime de exclusividade – que ele próprio declarou. Mais tarde revelou que recebeu do CPPC apenas “despesas de representação” para pagar almoços e deslocações e divulgou um despacho de arquivamento de uma investigação do Ministério Público ao caso. No fim-de-semana surgiram notícias de que não pagou as contribuições obrigatórias para a segurança social entre 1999 e 2004. Agora que teve vários processos de execução fiscal.

Às dúvidas recentes, Passos Coelho respondeu da mesma forma que já tinha feito no passado. Com um não me lembro. Como se os anos entre 1999 e 2007 fossem um buraco negro na sua vida. Anos apagados da memória. Ele até pode tentar manter a aparência de seriedade. O problema – que não é pessoal, é político – é  que a convicção de que, pelo menos nesses anos misteriosos, não foi sério é cada vez maior. Ou seja inverteu o paradigma: para ele, neste momento, era mais importante ter sido sério do que parecê-lo.

 Estela Silva/Lusa

Estela Silva/Lusa

2 thoughts on “1999-2007: o buraco negro na vida de Passos Coelho

  1. Pingback: O buraco negro na vida de Passos Coelho | Abril de Novo Magazine

  2. Pingback: 1999-2007: o buraco negro na vida de Passos Coelho - PINN

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s