Pedro Tadeu arrisca-se a receber um SMS irritado de António Costa

Graças a este artigo de opinião, hoje, no Diário de Notícias. Certeiro.

“Sampaio da Nóvoa quer o apoio de António Costa?

A candidatura à Presidência da República de Sampaio da Nóvoa incomodou já tanta gente do centro-direita, autora de tantos e tão inflamados artigos ardentes em irritação, fúria e calúnia, espalhadas aos quatro ventos pela imprensa e pelas redes sociais, que certamente é analisada como um perigo real para a visão que estas pessoas têm do país, uma ameaça à sua ideologia ou, talvez, aos seus interesses pessoais. Por mim, ainda bem.

Vejo, porém, um problema. O líder socialista engendrou um plano bicudo para conquistar o poder: ao eleitorado de esquerda e à ala do PS, onde pontificam Soares ou Alegre, oferece a Presidência da República; ao centro-direita e às fileiras socialistas, doutrinadas por Assis ou Vitorino, entrega o governo…

António Costa está à beira de apoiar um candidato que diz: “Precisamos agora de reinventar uma visão estratégica para Portugal, que não se feche na Europa”.

Mas o mesmo Costa adota um programa económico para 10 anos onde se lê: “O cenário para Portugal que se apresenta neste documento tem como referência o elaborado pela Comissão Europeia que foi adotado como cenário central inicial.”

Costa ouve o seu hipotético candidato clamar: “Não me resignarei perante a destruição do Estado social, nem perante situações insuportáveis de pobreza, de desemprego e de exclusão, nem perante a precarização do trabalho.”

O mesmo líder do PS ouve a equipa de economistas que contratou para definirem o futuro proporem, opacamente, “complementar a atual legislação de cessação de contratos de trabalho com um novo regime conciliatório e voluntário em que as empresas podem iniciar um procedimento conciliatório, em condições equiparadas às do despedimento coletivo”. Se substituirmos “conciliatório e voluntário” por “de despedimento individual” descobrimos o significado real desta hipocrisia lamentável e perigosa.

Sampaio da Nóvoa sentir-se-á confortável em receber o apoio de um partido que defende para o país uma perigosa fragilização do financiamento da Segurança Social e admite, até, reduzir pensões? Achará bem “um imposto negativo aplicável a todos os que durante o ano declarem um rendimento do trabalho à Segurança Social inferior à linha de pobreza” que, na prática, é uma forma de pôr o Estado a subsidiar as empresas que pagam abaixo do salário mínimo?

Poderá a generosidade grandiloquente de Sampaio da Nóvoa conviver pacificamente com a rendição de António Costa ao mais deprimente economês eurocrata ? Se sim, se esta esquizofrenia política for mesmo a proposta eleitoral socialista, a direita devia era estar a mandar já foguetes pois a festa é, seguramente, dela.”

PORTUGAL XX CONGRESSO NACIONAL PS

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s