“Não é azar: é falta de informação”

Era uma vez um homem normal, com uma vida normal, e uma família normal. Nessa vida normal, esse homem normal apanhava todos os dias os transportes para o seu emprego normal, onde convivia com os seus amigos normais e cumpria as suas tarefas normais. Certo dia, farto da sua vida normal, decidiu que era altura de mudar um pouco essa normalidade normal.

Quis então fazer uma surpresa normal, à mulher normal, e decidiu que era a altura de quebrar a normalidade e fazer umas férias no estrangeiro. No caminho para o tal emprego normal, parou junto a uma agência de viagens, que ficava ao lado do quiosque normal onde costumava comprar o normal maço de tabaco diário, ignorando a banca de jornais normais, que, naqueles dias, mostravam umas imagens anormais de uns soldados armados não percebeu bem onde. Viu então uma promoção anormal de viagens para o Rio de Janeiro e decidiu voltar para casa com dois bilhetes para o outro lado do mundo. Mas quando lá chegou, não teve as férias normais que esperava: a crise de segurança era tão anormal que o exército tinha ocupado as ruas. Passou então uma semana fechado no hotel com o normal receio de ser assaltado na marginal.

De regresso a casa, decidiu então que estava na altura de comprar o carro normal que há muito tinha prometido à mulher. Enquanto procurava a melhor opção, recebeu um telefonema anormal de uma empresa que lhe propunha a assinatura de uma revista automóvel mensal por apenas dois euros. Achou que era um desperdício. E acabou por comprar o carro que lhe pareceu o mais indicado quase por intuição. Só que no fim do mês foi surpreendido pelo anormal gasto de combustível – muito mais do que tinha esperado.

Homem de meia idade, sempre teve uma saúde normal. Nunca quis gastar três euros semanais em revistas normais que lhe davam conta dos riscos do açúcar na saúde ou dos cuidados que a partir de certa idade todos deveriam ter. Até ao dia em que foi surpreendido pelo médico: tinha um peso anormal, colesterol elevado e estava em risco de sofrer um ataque cardíaco.

De baixa médica em casa, viu no Facebook um amigo a partilhar um artigo de um site do qual nunca tinha ouvido falar mas que prometia um anormal dinheiro fácil num investimento em bitcoins. Não sabia bem o que era, mas decidiu arriscar as poupanças de uma vida. Talvez assim conseguisse recuperar em pouco tempo o que perdera na viagem ao Brasil, no carro que não era o melhor e talvez comprar a casa que sempre quis ter. Como normalmente preferia ver sempre o canal desportivo do seu clube, perdeu o debate sobre os riscos das moedas virtuais que passou num canal informativo. E ficou em choque quando os milhares de euros que tinha investido ficaram, em poucos dias, reduzidos a menos de metade.

Sem férias, sem carro, sem saúde e agora sem dinheiro, esse homem normal lamentou-se a Deus. “Porquê, senhor, porquê? Porque é que sou tão azarado? Só queria ter uma vida normal”.

Surpreendentemente Deus respondeu-lhe: “enviei-te uma revista de automóveis, mostrei-te manchetes de jornais sobre a insegurança no Brasil, meti-te à frente revistas sobre cuidados de saúde e dei-te a hipótese de ver debates sobre os riscos das criptomoedas. Não é azar: é falta de informação – aquilo que te permite tomar decisões acertadas.”

journalism

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s