“Temos que vencer o medo pelos nossos filhos. O teu medo de hoje vai ser a tragédia dele amanhã”

Ouvi falar do Luaty Beirão pela primeira vez em 2012. Acho que foi quando ele foi preso à chegada a Lisboa depois de “alguém”, no aeroporto de Luanda, que lhe colocar um pacote de cocaína na bagagem. Mas a coisa foi tão mal feita que ele foi libertado no dia seguinte. O processo, obviamente, não deu em nada.

No mesmo ano voltei a vê-lo. Agora como um dos protagonistas de um documentário da Al Jazeera sobre o nascimento de um movimento de jovens inspirado na Primavera Árabe que pedia reformas democráticas. Um dado saltava à vista: as manifestações que tinham começado no ano anterior tinham sido as primeiras em 32 anos em Angola. Fui rever esse documentário para escrever o artigo sobre o Luaty Beirão que há 26 dias está em greve de fome em protesto contra o prolongamento da prisão preventiva de 16 jovens (por estarem a ler um livro, diga-se), passados que estão todos os prazos legais. Nele podemos recordar a origem dos protestos em Angola, percebemos a importância do rap como forma de luta e contestação social, encontramos todos os motivos que levaram este “filho do regime” a contestar a situação em Angola e as dificuldades com que eles se deparam.

#liberdadejá!

O dia-a-dia dos espiões mundiais

Depois das revelações de Edward Snowden sobre a espionagem electrónica levada a cabo pelos serviços secretos norte-americanos e britânicos, um novo conjunto de novas revelações promete abalar a estruturas de espionagem: a Al Jazeera teve acesso a um conjunto de documentos dos principais serviços de informações mundiais que, em vez de estarem centrados na vigilância electrónica, tratam, sobretudo, de relações humanas. São um olhar inédito sobre o dia-a-dia de pessoas cujas vidas devem ser secretas. Nalguns casos, muito longe do glamour dos filmes. Chamaram-lhe, os Spy Cables

O recrutador de Jihadistas

As autoridades francesas acreditam que Omar al-Diaby – conhecido como Omar Omsen – é o principal recrutador de jihadistas franceses. A Al Jazeera entrevistou-o.

A minha casa, a favela

A previsão é da ONU: em 2050, uma em cada três pessoas vão viver numa favela. Com este número em mente, a Al Jazeera realizou uma série documental em seis partes sobre o bairro de Tondo, em Manila – uma das zonas mais pobres do mundo – e a luta de alguns dos seus habitantes para contrariar as probabilidades. Chama-se My Home e neste episódio, o sexto, uma bailarina, um lutador e uma modelo falam das suas ambições e do que fazem para as alcançar. Fora da favela.

As novas máfias que vieram da Europa de Leste

Estão ligadas a todos os tipos de crime: roubos, clonagem de cartões bancários, pirataria informática, mas tambémextorsão, prostituição e tráfico. São gangues organizados itinerantes cujas lideranças estão nos seus próprios países mas cujos “soldados” se espalham pela Europa para fazer dinheiro para o grupo. Neste trabalho para a Al Jazeera, os franceses Jerome Pierrat e Barbara Conforti entrevistaram criminosos em vários países da Europa de Leste, incluíndo os chamados Ladrões em Lei – uma organização criada nos gulags soviéticos. É um mundo obscuro, regulado por códigos próprios, de honra.

Os exilados sirios de classe média

A guerra civil na Síria começou há cerca de três anos. Desde então milhões de pessoas deixaram o país. Muitos deles, milhares, pertenciam a uma classe média educada e com poder de compra. Alguns passaram recentemente por Portugal vindos através da Guiné-Bissau com destino ao norte da Europa. A Al Jazeera entrevistou vários destes exilados para perceber o que eles pensam da revolução, do caminho que se seguiu – e o que acham de um eventual regresso a casa.

O interrogador

Quando a Wikileaks divulgou os documentos norte-americanos sobre a guerra no Iraque, em 2010, houve um termo que chamou a atenção da realizadora Maggie O’Kane: “Frago 242”, uma abreviatura de “Fragmentary Order 242”, uma directiva para os militares ignorarem a tortura a iraquianos feita por iraquianos. A investigação que se seguiu – e divulgada agora pela Al Jazeera – mostra como o Pentágono enviou um veterano da guerra do Vietname e das operações clandestinas na América Central para coordenar as unidades especiais da polícia cuja missão era obter informações de rebeldes através de detenções secretas e tortura. A certa altura, estes esquadrões da morte chegaram a ter 17 mil elementos que ajudaram à eclosão de uma guerra civil que já fez milhares de vítimas.

Marroquinos esquecidos no Vietname

Na década de 50, jovens marroquinos juntaram-se ao exército francês e foram parar à Indochina. Quando começou o conflito entre o seu país e a França, muitos desertaram. Constituíram família. Muitos acabaram por regressar a Marrocos. Mas houve três famílias que ficaram – e que não conseguem provar a sua ascendência. Uma grande reportagem da Al Jazeera.

Líbia: dois anos depois da queda de Gaddafi

Há dois anos, milicias armadas apoiadas por países da NATO, depuseram o regime de Muammar Gaddafi. As promessas de democratização foram substituídas por um Estado de insegurança – que provocou mesmo a morte de um embaixador norte-americano morreu. Os jornalistas do programa Fault Lines, da Al Jazeera, foram lá perceber o que correu mal.

Hollywood: Cinema Império

Amanhã, Hollywood tem o seu momento alto do ano, com a cerimónia de entrega dos óscares da academia. Não haverá melhor altura para assistir a este episódio do programa Empire, da Al Jazeera, cujos repórteres estiveram em Paris, Mumbai e na Califórnia, para investigar e compreender qual o real poder da indústria cinematográfica norte-americana e se ela é um reflexo do império americano.

Ter 15 anos, ser rapariga e viver em Gaza

A partir dos 15 anos, uma rapariga entra na idade adulta. Como a mais nova de sete irmãos, Shurooq Mousa sabe que terá de fazer o que a familia espera – mas não cederá sem dar luta. Seja em relação às roupas que usa, ao que irá estudar e ao papel que a mulher tem na sociedade muçulmana. Um documentário que mostra por dentro a realidade e os conflitos de uma cultura, filmado pela irmã de Shurooq, Wesam Mousa. Chama-se 15 in Gaza. E tem o selo de qualidade da Al Jazeera.

O general brasileiro que lidera a luta pela paz no Congo

Começou por ser uma força de manutenção de paz na Republica Democrática do Congo. E durante anos foi ineficaz. Agora, pela primeira vez na história da Organização das Nações Unidas, os capacetes azuis da Organização das Nações Unidas, tiveram autorização para passar à ofensiva. Liderados pelo general brasileiro Carlos Santos Cruz os militares querem instaurar a paz no país – à força. A Al Jazeera acompanhou-o.

Ucrânia, um Estado de caos

É o maior país da Europa de Leste. Dividido entre a União Europeia e a Rússia, tem sido palco de manifestações constantes que alguns já consideraram poder levar a uma guerra civil. Seria mais uma crise numa história de conflito. É o centro do programa Witness, da Al Jazeera. O nome diz tudo: Ucrânia, State of Chaos.

A onda invisível de Fukushima

Quase três anos após o terramoto e o tsunami que provocou o desastre nuclear de Fukushima, a Al Jazeera regressou à localidade japonesa para tentar perceber quais os efeitos de longo prazo do incidente. O principal receio é o de uma nova onda gigante que ameaça sobretudo as crianças: o cancro na tiróide.

O exército de pobres de uma terra muito rica

O deserto do Saara ocupa partes do Mali, Niger, Argélia, Líbia e Burkina Faso. O centro tem dos maiores depósitos energéticos de África. O seu povo – os Tuaregues – ambicionam uma pátria independente. Durante anos, foram contidos por Muammar Khadaffi: deu-lhes emprego e contratou-os como mercenários. Com a queda do líder líbio, muitos voltaram a casa, no Niger e no Mali, ao fim de várias décadas. O que encontraram? Fome, seca e pobreza. A solução? Uma rebelião para criar o seu próprio Estado. Esta é a primeira de três partes de um documentário da Al Jazeera, que acompanhou o regresso a casa dos soldados tuaregues.  

 

O boom de drogas na China

O aumento brutal do consumo de dorgas sintéticas na China está a transformar a vizinha Birmânia num autêntico laboratório gigante de metanfetaminas que são depois transportadas clandestinamente para o destino. A Al Jazeera conseguiu entrar neste complexo sistema.

7Up: uma entrevista a cada sete anos, desde 1992

Em 1992, 20 crianças com sete anos dos mais diversos estratos sociais foram entrevistadas para um projecto a muito longo prazo. Eram ricas, pobres, brancas e negras. Nessa altura elas falam sobre a família, a escola, o dia-a-dia, as brincadeiras – mas também as preocupações e os problemas. Ainda viviam em Apartheid. Em 1999, com 14 anos, elas voltaram a falar para as câmaras. Nelson Mandela já tinha chegado à presidência do país. Voltaram a fazê-lo em 2006, com 21 anos. E em 2013, com 28. Este é o primeiro de oito episódios de uma série documental pensada a 20 anos, agora emitida pela Al Jazeera, que acompanha a vida e as mudanças destas crianças, adolescentes e agora adultos. Chama-se 7Up South Africa.

António Guterres e a geração perdida da Síria

A guerra na Síria já provocou mais de dois milhões e duzentos mil refugiados. Todos os dias seis mil pessoas querem deixar o país. Muitos vivem em tendas da Organização das Nações Unidas. As organizações internacionais já afirmam existir uma “geração perdida”. Esta reportagem da Al Jazeera dá um retrato impressionante da vida destas crianças. E conta com um testemunho de peso: o de António Guterres, alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, para quem esta crise se arrisca a ser a maior desde a II Guerra Mundial. Dez anos mais velho, de cabelos brancos, o ex-primeiro-ministro continua igual a si próprio: articulado, a dominar os números e agora com uma experiência internacional sem paralelo. Quererá ele voltar? Não me parece.

À procura do “rei lagarto”

Acredita-se que o tráfico internacional de espécies animais exóticas movimente cerca de 19 mil milhões de dólares por ano. As quantias envolvidas rivalizam com o tráfico de drogas e pessoas – mas têm muito menos riscos. O negócio tem uma cara: Anson Wong, um cidadão malaio conhecido por ser uma espécie de Pablo Escobar do tráfico de animais. Em 1998, uma investigação de cinco anos levou à sua detenção e condenação nos Estados Unidos e à publicação do livro The Lizard King. Libertado, voltou a ser detido na Indonésia. Agora, estará de novo no activo. Uma reportagem do programa 101 East, da Al Jazeera, percorreu vários países para tentar infiltrar-se na rede do “Rei lagarto”.

Yasser Arafat terá sido assassinado com Polónio 210

yasser_arafat_586

Depois de encontrarem níveis anormais de Polónio 210 nas roupas e objectos pessoais de Yasser Arafat, cientistas suíços encontraram níveis 18 vezes superiores ao normal nos restos mortais do líder histórico palestiniano. A conclusão consta de um relatório de 108 páginas entregue à família do líder histórico palestiniano – uma ocasião testemunhada em exclusivo pela Al Jazeera. Os cientistas dizem que, em tribunal, estas análises serviriam para provar que houve um homicídio. A viúva de Arafat, Sura, já chamou à morte do marido o “crime do século”. Para quem não se lembra, o Polónio 210 foi a substância usada para assassinar o dissidente russo Alexander Litvinenko.