Um aplauso para a história

 

Em directo: a votação de António Guterres no Conselho de Segurança

https://link.brightcove.com/services/player/bcpid1722935254001/?bctid=4775926929001&autoStart=false&secureConnections=true&width=480&height=270

Para a história: o Conselho de Segurança escolhe António Guterres como Secretário-Geral da ONU

//platform.twitter.com/widgets.js

Um presidente perdido

A ouvir António Guterres no Seminário Diplomático e a pensar na tristeza que são os milhentos candidatos presidenciais. É uma diferença abissal. 

  

António Guterres e a geração perdida da Síria

A guerra na Síria já provocou mais de dois milhões e duzentos mil refugiados. Todos os dias seis mil pessoas querem deixar o país. Muitos vivem em tendas da Organização das Nações Unidas. As organizações internacionais já afirmam existir uma “geração perdida”. Esta reportagem da Al Jazeera dá um retrato impressionante da vida destas crianças. E conta com um testemunho de peso: o de António Guterres, alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, para quem esta crise se arrisca a ser a maior desde a II Guerra Mundial. Dez anos mais velho, de cabelos brancos, o ex-primeiro-ministro continua igual a si próprio: articulado, a dominar os números e agora com uma experiência internacional sem paralelo. Quererá ele voltar? Não me parece.

Os segredos do poder de António Guterres

Hoje, às 18h30, no Teatro São Carlos, é lançada (mas não ao ar) a biografia de António Guterres. O livro é do Adelino Cunha e é o resultado final de um trabalho de vários anos. Ainda não o li. Mas li a biografia que ele escreveu sobre Álvaro Cunhal. E li os muitos textos que ele escreveu quando privámos na redacção de O Independente. Por isso, sem ter folheado António Guterres – Os segredos do poder, tenho a certeza de duas coisas: está bem escrito e fundamentado. Nos últimos dias têm saído algumas notícias sobre a obra. E as revelações prometem. Como esta.

1425789_592367647497251_842081559_n (1)