O The Washington Post tem um novo lema

E é tão simples quanto genial.

c5qfz79xaaamwhk

“Sou um kamikase angolano”

“O culpado da miséria no país não é só um, mas o principal, não é segredo, chama-se Zé Du.

Do comunismo ao conformismo, de marioneta a usur… pador de poderes, quem te menciona é morto ou vai para o zoo, zoo, zoo. (…) 

És um pedaço de ferro, mano, frio e inanimado, o teu coração, se tens algum, bate do lado contrário. Anunciaste, né, que não voltavas a candidatar-te, né? Mas o posto deu-te saudades, né? Antes de saltares, né?

José Edu Murphi o nosso actor mais caro. Em vez do Nobel era pelo Óscar que devias ter implorado.

A nossas única esperança seriam os militares, mas são tudo bons rapazes, saudáveis amizades.

Devia medir melhor as palavras mas agora é tarde. O desespero fez com que me tornasse num Kamikaze (…)

Isto é a minha nota de suicídio aos meus pais, amo-vos muito, desculpem, mas não aguento mais. Cada dia que passa a minha vida perde importância, cada dia que passa morre um pedaço de esperança. Num país onde a palavra democracia é defraudada, onde a corrupção não se esconde, faz-se de cara deslavada. Onde no fim todos são cúmplices, portanto, toda a gente é ilibada e as vozes revoltadas são delicadamente eliminadas.

Falo porque mais vale morrer por causa justa. Fico fodido quando a Isabel não tem prisão com massa pública. A Tchizé quer informar, ah, faz-me rir de repulsa. A rainha passeia-se no avião da presidência da República. (…) 

Falaste a verdade, estás no caixão. Falou verdade foi no caixão. Falo verdade vou no caisão. Que raio de democracia é essa?

Fala a verdade, estás no caixão. Falou verdade foi no caixão. Falámos verdade, no caixão. Que raio de democracia é essa?”

(Luaty Beirão, Kamicasio, 2012)  

(Entre os 45s e os 4m45s)

“Temos que vencer o medo pelos nossos filhos. O teu medo de hoje vai ser a tragédia dele amanhã”

Ouvi falar do Luaty Beirão pela primeira vez em 2012. Acho que foi quando ele foi preso à chegada a Lisboa depois de “alguém”, no aeroporto de Luanda, que lhe colocar um pacote de cocaína na bagagem. Mas a coisa foi tão mal feita que ele foi libertado no dia seguinte. O processo, obviamente, não deu em nada.

No mesmo ano voltei a vê-lo. Agora como um dos protagonistas de um documentário da Al Jazeera sobre o nascimento de um movimento de jovens inspirado na Primavera Árabe que pedia reformas democráticas. Um dado saltava à vista: as manifestações que tinham começado no ano anterior tinham sido as primeiras em 32 anos em Angola. Fui rever esse documentário para escrever o artigo sobre o Luaty Beirão que há 26 dias está em greve de fome em protesto contra o prolongamento da prisão preventiva de 16 jovens (por estarem a ler um livro, diga-se), passados que estão todos os prazos legais. Nele podemos recordar a origem dos protestos em Angola, percebemos a importância do rap como forma de luta e contestação social, encontramos todos os motivos que levaram este “filho do regime” a contestar a situação em Angola e as dificuldades com que eles se deparam.

#liberdadejá!

Leitura para o fim-de-semana: as eleições indianas e a guerra dos tronos

Sim, sou fã de A Guerra dos Tronos. Não sou, obviamente, o único. Por isso, quando vi este artigo que compara o universo criado por George R. R. Martin às eleições indianas, não resisti. E a verdade é que a analogia está muito bem conseguida. Vale a pena ler. Aprendemos alguma coisa sobre a maior democracia do mundo – e também sobre a série do momento.

w640-2

How the Indian elections are just like “Game of Thrones”

  • By Thane Richard,

The most many Americans know about the election in India is the fact that they actually know nothing about it. While not hard to trump this lack of coverage, one political drama that is certainly getting more airtime across America are those in the world of Game of Thrones, which continues to break its own viewership records with each subsequent airing. May 11th’s episode had the most viewers yet: 7.16 million. Fortunately for America, the Indian election is eerily similar to the plots unfolding in Westeros. Because the plot of Game of Thrones is totally a simplification—not complicated at all—let’s break this down Ice and Fire style. I hope this doesn’t make things worse…

Background

In 1947, Mahatma Gandhi and Jawaharlal Nehru swept through India on the backs of dragons and conquered it from the British. Gandhi was assassinated and Nehru became the first prime minister, bringing over 500 independent princely states and other entities into the fold of the Union of India with the help of the Hand of the King (Home Minister) Vallabhbhai Patel. India as the our proverbial Seven Kingdoms was born. India also has a Wall in its north: the Line of Control between Indian and Pakistani Kashmir and the Line of Actual Control between Indian and Chinese Kashmir. In 1999, Pakistan tried to breach the Wall, triggering the Kargil War.

The Iron Throne was forged in Delhi, and Nehru became the head of a dynasty that has ruled India directly as Prime Ministers for 40 years and indirectly as head of the ruling party, the Congress, for 55 years (India has been independent for 67 years). The Nehru-Gandhi family took the Gandhi name when Nehru’s daughter, Indira Gandhi (who was assassinated by her Queen’s Guard), married a man unrelated to the eponymous opposition leader. Currently, the Congress party rules India, but there is rebellion in the air. They are most definitely House Targaryen.

House Targaryen (Congress)

The brother-sister pair of Rahul and Priyanka Gandhi, great-grandchildren of Nehru, are seen as the future of the party. Rahul Gandhi has been the face of the Congress during this campaign, but he is largely viewed as inept at governance and the coddled child of a broken line. His sister, Priyanka, has never entered politics herself and has been involved from the sidelines via managing the campaigns of her mother and brother at various times. She is married to Robert Vadra who, coincidentally, is the chief of a powerful tribe of horselords from the east. Sadly, no, but he has been a source of controversy for her as some of his business dealings have come under scrutiny. Late in the present election, Priyanka became much more involved and her powerful and relatively easy assumption of the limelight has many believing that she is, in fact, the only future for the family and the Congress party. Unfortunately for her, she has no dragons, just allegedly billions of dollars in offshore bank accounts. No pressure, Khaleesi.

House Lannister (The Bharatiya Janata Party)

In the sense that he may usurp Congress, Narendra Modi is Robert Baratheon, but the BJP leader has a political ambition that even Tywin Lannister would find threatening. He is cunning, ruthless, and viewed by many as heartless for his alleged role in communal riots in 2002. He compared the sadness of the event to running over a puppy with a car(over 1,000 people were killed), he refuses to apologize for letting it happen under his watch, and further says he did “absolutely the right thing” in how he handled the unrest. Yet, his critics remain skeptical while his supporters either point to the Supreme Court having cleared his name last year or say “Hakuna Matata,” roll their eyes, and affirm that he has “matured.”

Modi has created a fervor amongst his fans with alluring promises of development and strong governance but he has also pushed away other prominent noble houses. Several regional Indian parties have broken their alliance with his party, the BJP, because of his polarizing personality. His home state of Gujarat (Casterly Rock) is one of the richest states in India and is viewed as an enviable microcosm of development that many across India dream of for themselves. The validity of the statistics around this development, though, and Modi’s personal role in driving them has been questioned. And from a human development standpoint, Gujarat’s growth has been lackluster. Many whisper that these mythical “development gold mines” under Casterly Rock are merely a visage.

House Stark (Aam Aadmi Party)

The lovable underdogs (underwolves?). The leader of the Aam Aadmi Party is a young and fresh politician named Arvind Kejriwal (Robb Stark) who has no background in politics. He worked as a civil servant in the Indian Revenue Service before becoming involved in the 2011 Delhi protests to pass anti-corruption reform. That movement evolved into a political party with him as its leader after millions of people in Delhi started chanting “King of the North!”

So king he became.

In an enormous electoral upset, his neophyte party won 28 out of 70 seats in the Delhi Assembly elections this past December and he became Chief Minister of Delhi. After 49 days, he resigned in order to campaign in the national election where, in just a few months, he assembled his newly found bannermen and fielded candidates in 434 constituencies (there are 543 total in India). Personally, he decided to challenge the might of Narendra Modi (Tywin Lannister) directly in the district of Varanasi: wolf versus lion in one of the oldest cities in the world. Most predict Modi will win, but young Robb Stark has one smashing victory already under his belt. Can he pull off another or has he walked into a political Red Wedding?

House Greyjoy (Trinamool National Congress)

Mamata Banerjee split from Congress in 1997 and formed her own party, the Trinamool National Congress (TMC). Since then, she has formed alliances with both major houses, the Congress and the BJP, and has generally seized on opportunities to raid the mainland to assert her party’s independence as its own seat of power in West Bengal (Iron Islands) where the party hails from and maintains its throne with a 63% majority of seats in the state assembly. She also has a nephew named Theon (Abhishek, actually) who is ambitiously contesting in this election for the first time. To be fair, one could likely argue that any one of the larger regional parties in India could take the mantel of House Greyjoy, but I opted for TNC.

House Martell (The Third Front)

The Third Front is actually a union of several different political parties with a strong presence in the perpetually warm southern region of India. Until 2011, one of their constituent parties ruled Kerala, which has the highest Human Development Index in India, according to a report by the Government of India, and the highest literacy rate in India. A Third Front party rules the neighboring state of Tamil Nadu and is a significant opposition force in neighboring Karnataka. Like Dorne, southern Indian culture is very distinct from that of the Seven Kingdoms. The food and dress of South Indians are unique and Hindi, the predominant language in northern India, has more in common linguistically with English than it does with the southern Dravidian languages. Even the hero and foe of theRamayana, one of India’s great epics, are viewed differently in the north and south. The Third Front was formed in opposition to the two major northern houses—they have never been outright loyal to Congress (Targaryen) and openly detest our Tywin Lannister, Narendra Modi. It should also be noted that the Third Front is significant in the northern states of Uttar Pradesh and West Bengal.

Suffice to say, there are enough strong personalities and ruling family dramas in India to make for very interesting entertainment even without dragons, beheadings, and zombie ice monsters.”

Carta a um amigo

Através do embaixador Francisco Seixas da Costa

“Pois é, meu caro, não estamos de acordo. E nem o facto de ambos termos andado de cravo ao peito na sexta-feira passada, sob o sol dessa bela festa que foi a comemoração dos 40 anos de abril, nos coloca necessariamente lado-a-lado, acabado que foi esse dia 25.
Percebo a tua revolta, entendo que já não possas mais ver “essa gente”, concordo em que eles foram bem mais longe do que a decência democrática deveria permitir, que já deveria ter havido, há muito, eleições legislativas para retificar a legitimidade política que já se pressentiu que perderam. Estou contigo em considerar que este governo foi uma das mais nefastas ocorrências da nossa vida desde o 25 de abril, por todas as razões que ambos bem sabemos e que o povo português continua a pagar na pele. Concedo, com facilidade, que quem tem competência constitucional  para tal, já há muito deveria ter tomado a decisão de “pôr fim a isto”, de uma vez por todas.
Mas, vais-me desculpar, “eles” – e quem os sustenta por “lá” – estão no poder porque o povo português assim o quis. E a isso chama-se democracia. Eu sei que vais arguir que isso é “democracia formal”, mas esse é também sinónimo de democracia. Mas “eles” também “lá” estão porque tu e os teus amigos – o Partido Comunista Português e o Bloco de Esquerda, assim, com todas as letras, para que fique bem sublinhado o que vocês procuram fazer esquecer – votaram, bem ao lado da direita, para derrubar o governo socialista. É verdade, meu caro, tu e Jerónimo de Sousa e Francisco Louçã, estiveram de mão dada com Passos Coelho e com Paulo Portas para afastar José Sócrates. Não gostavam dele? Claro que estavam no pleníssimo direito democrático de derrubar o seu governo. Mas agora, desculpa lá!, gostam mais “destes”? É que convém que o povo português nunca esqueça o que se passou em 2011: foi o voto da “esquerda da esquerda”, de que tu fazes parte, quem abriu as portas a esta direita que está no poder. Foi o voto dessa “esquerda da esquerda”, ávida pela possibilidade de vir a ter uns deputados mais em S. Bento (não se sabe bem para que efeito útil), que estendeu uma passadeira vermelha (ironicamente, “vermelha”) a quem se propunha ir (e foi!) “além da troika”. Estão satisfeitos?
Nas últimas semanas, vi-te entusiasmado a ecoar algumas proclamações ameaçadoras de derrube da ordem constitucional, da necessidade de um “outro caminho”, para “pôr com dono” este governo, que tem trazido a divisão e a maior incomodidade de sempre à política portuguesa em democracia. Vi-te ao lado dos que pensam que “eles” têm de sair, “a bem ou a mal”. Nestas comemorações de abril, por entre cravos, vozes iradas e corações quentes, vislumbrei-te em aplausos aos apelos à revolta, a um “novo 25 de abril”.
Tem juízo, pá! Esta ordem constitucional, com todos os muitos defeitos que tem (e que ela própria tem forma de corrigir), foi aquela que resultou da luta pela qual eu e muitos outros arriscámos a nossa liberdade no dia 25 de abril de 1974. Por causa dela, há agora um papelinhos brancos, nos quais podes colocar uma cruz no sítio certo (ia dizer “no sítio seguro”, mas temi outras interpretações), que deves dobrar em quatro e meter numa caixa, nuns determinados dias. O primeiro é dentro de cerca de um mês, o segundo, infelizmente, deve ter de esperar mais uns tempos. Queres um conselho: vota bem! Vota em quem tenha uma possibilidade real de mudar a vida aos portugueses, não em quantos apenas servirão para aumentar os decibéis do protesto, mas não irão ter o menor papel na decisão dos caminhos do futuro. És livre, claro, de votar em quem quer fazer sair Portugal do euro e até da União Europeia, o que somaria mais empobrecimento àquele que os portugueses já têm – e que só defendem esta insensatez pela confortável certeza de que nunca ascenderão ao poder para a poder executar.

Até lá, podes e deves, se assim o entenderes, continuar ir para a rua clamar o teu desagrado, ser solidário com quem sofre as políticas oficiais, fazer as greves que bem entenderes, expressar-te livremente como quiseres, em tudo quanto for sítio possível. Mas hoje a Revolução, meu caro, já não está na ponta de uma G3, está no boletim de voto. Ou, como se dizia em 1975, “o voto é a arma do povo”. O resto é nostalgia serôdia e falta de espírito democrático. Sei que não deverás ter gostado muito de ler esta carta, mas escrevi-a no usufruto das minhas “mais amplas liberdades”, para utilizar uma expressão que talvez seja cara à tua memória de abril.

Recebe um abraço, apesar de tudo, solidário. E viva o 25 de abril, sempre!”
fotografia (8)

Um país dividido

É a maior democracia do mundo. E este ano vai a eleições. De um lado o Congresso Nacional Indiano. Do outro o Partido Bharatiya Janata. O The New York Times leva-nos numa viagem às divisões políticas e sociais do país. A Índia.

Assunção Esteves, a “Miss Prada” do Parlamento

Assunção Esteves chegou a presidente da Assembleia da República depois do erro de casting que foi a escolha de Fernando Nobre. A sua indicação, por parte do PSD, foi bem recebida pelos restantes partidos. Não havia como não ser: jurista brilhante, tornou-se a primeira mulher a chegar ao cargo. O pior foi depois. Desde que tomou posse, Assunção Esteves acumulou uma série de polémicas e tomou inúmeras atitutes que não se limitam a colocá-la em causa: desprestigiam o cargo que ocupa. A declaração infeliz sobre os militares de Abril é apenas a último dos casos. De memória houve os episódios sobre o acesso às galerias do parlamento, as declarações sobre a transladação para o Panteão Nacional, etc.

Logo após a tomada de posse começaram a correr pelos corredores do Parlamento os primeiros relatos da personalidade colérica da nova Presidente da Assembleia. Depois foram os funcionários do seu gabinete que começaram a saír a um ritmo muito superior ao normal. Isso levou-nos, na Sábado, a tentar perceber o que se passava. O resultado foi um artigo que conta como Assunção Esteves menoriza os funcionários com quem trabalha – daí as demissões e a alcunha de “Miss Prada do Parlamento”. Uma assessora de imprensa durou nove dias. Sobre o actual secretário de Estado da Cultura, Barreto Xavier, disse em plenario que “não sabe escrever duas frases juntas e que não lhe serve para nada”.

Mais: o artigo conta como Assunção Esteves colocou um membro do gabinete a alterar constantemente a sua página na Wikipédia de modo a eliminar dados que ela não gosta que sejam públicos: o casamento com José Lamego, a profissão do pai (alfaiate), o seu envolvimento no atropelamento de uma idosa, em Faro, e o facto de se ter reformado aos 42 anos como juíza do Tribunal Constitucional com uma pensão superior a sete mil euros mensais. Para não falar na obsessão das limpezas: leva lençois para os hotéis e renovou a casa de banho do seu gabinete para não se sentar na mesma sanita de Jaime Gama.

Há também quem se queixe de não perceber o que ela diz. O episódio do inconseguimento tornou-se célebre. Mas a linguagem de Assunção Esteves vai muito mais longe. Basta dar uma vista de olhos pelos seus discursos. Agora, o problema não foi esse. Pelo contrário. Percebeu-se demasiado bem o que Assunção Esteves afirmou. E o que pensa sobre o assunto.

img_708x350$2012_11_26_15_44_29_191634

Leitura para o fim-de-semana: um ensaio sobre a democracia

Os protestos na Ucrânia e a deposição do presidente Viktor Yanukovych levaram a The Economist a publicar online um ensaio sobre o o estado da democracia – o pior sistema político do mundo, excepto todos os outros conhecidos.

esch1a_0

What’s gone wrong with democracy?

Democracy was the most successful political idea of the 20th century. Why has it run into trouble, and what can be done to revive it?

“THE protesters who have overturned the politics of Ukraine have many aspirations for their country. Their placards called for closer relations with the European Union (EU), an end to Russian intervention in Ukraine’s politics and the establishment of a clean government to replace the kleptocracy of President Viktor Yanukovych. But their fundamental demand is one that has motivated people over many decades to take a stand against corrupt, abusive and autocratic governments. They want a rules-based democracy.

It is easy to understand why. Democracies are on average richer than non-democracies, are less likely to go to war and have a better record of fighting corruption. More fundamentally, democracy lets people speak their minds and shape their own and their children’s futures. That so many people in so many different parts of the world are prepared to risk so much for this idea is testimony to its enduring appeal.

Yet these days the exhilaration generated by events like those in Kiev is mixed with anxiety, for a troubling pattern has repeated itself in capital after capital. The people mass in the main square. Regime-sanctioned thugs try to fight back but lose their nerve in the face of popular intransigence and global news coverage. The world applauds the collapse of the regime and offers to help build a democracy. But turfing out an autocrat turns out to be much easier than setting up a viable democratic government. The new regime stumbles, the economy flounders and the country finds itself in a state at least as bad as it was before. This is what happened in much of the Arab spring, and also in Ukraine’s Orange revolution a decade ago. In 2004 Mr Yanukovych was ousted from office by vast street protests, only to be re-elected to the presidency (with the help of huge amounts of Russian money) in 2010, after the opposition politicians who replaced him turned out to be just as hopeless.

Democracy is going through a difficult time. Where autocrats have been driven out of office, their opponents have mostly failed to create viable democratic regimes. Even in established democracies, flaws in the system have become worryingly visible and disillusion with politics is rife. Yet just a few years ago democracy looked as though it would dominate the world.

In the second half of the 20th century, democracies had taken root in the most difficult circumstances possible—in Germany, which had been traumatised by Nazism, in India, which had the world’s largest population of poor people, and, in the 1990s, in South Africa, which had been disfigured by apartheid. Decolonialisation created a host of new democracies in Africa and Asia, and autocratic regimes gave way to democracy in Greece (1974), Spain (1975), Argentina (1983), Brazil (1985) and Chile (1989). The collapse of the Soviet Union created many fledgling democracies in central Europe. By 2000 Freedom House, an American think-tank, classified 120 countries, or 63% of the world total, as democracies.

Representatives of more than 100 countries gathered at the World Forum on Democracy in Warsaw that year to proclaim that “the will of the people” was “the basis of the authority of government”. A report issued by America’s State Department declared that having seen off “failed experiments” with authoritarian and totalitarian forms of government, “it seems that now, at long last, democracy is triumphant.”

Such hubris was surely understandable after such a run of successes. But stand farther back and the triumph of democracy looks rather less inevitable. After the fall of Athens, where it was first developed, the political model had lain dormant until the Enlightenment more than 2,000 years later. In the 18th century only the American revolution produced a sustainable democracy. During the 19th century monarchists fought a prolonged rearguard action against democratic forces. In the first half of the 20th century nascent democracies collapsed in Germany, Spain and Italy. By 1941 there were only 11 democracies left, and Franklin Roosevelt worried that it might not be possible to shield “the great flame of democracy from the blackout of barbarism”.

The progress seen in the late 20th century has stalled in the 21st. Even though around 40% of the world’s population, more people than ever before, live in countries that will hold free and fair elections this year, democracy’s global advance has come to a halt, and may even have gone into reverse. Freedom House reckons that 2013 was the eighth consecutive year in which global freedom declined, and that its forward march peaked around the beginning of the century. Between 1980 and 2000 the cause of democracy experienced only a few setbacks, but since 2000 there have been many. And democracy’s problems run deeper than mere numbers suggest. Many nominal democracies have slid towards autocracy, maintaining the outward appearance of democracy through elections, but without the rights and institutions that are equally important aspects of a functioning democratic system.

Faith in democracy flares up in moments of triumph, such as the overthrow of unpopular regimes in Cairo or Kiev, only to sputter out once again. Outside the West, democracy often advances only to collapse. And within the West, democracy has too often become associated with debt and dysfunction at home and overreach abroad. Democracy has always had its critics, but now old doubts are being treated with renewed respect as the weaknesses of democracy in its Western strongholds, and the fragility of its influence elsewhere, have become increasingly apparent. Why has democracy lost its forward momentum?”

O ensaio completo está aqui.

“Queremos ser livres”

É a mensagem dos manifestantes ucranianos. Querem ser livres. Viver em democracia. Dormir sem receio de serem presos sem motivo. Saber que vão acordar no dia seguinte junto das famílias. E pedem que o mundo os ajude. Que o apelo se torne global. Para isso é preciso que a mensagem se espalhe. Partilhem-na.

Os riscos

Pela boca do José Pedro Castanheira.

O jornalista José Pedro Castanheira alertou para a crise nos media, com despedimentos colectivos, cortes na Lusa e o anúncio de venda de títulos históricos a empresas cujos donos se desconhecem, acarretando “riscos” para a Democracia.

Referindo-se concretamente ao Diário de Notícias, ao Jornal de Notícias e à TSF, José Pedro Castanheira considerou que “a posse destes títulos por grupos estrangeiros ou de empresas cujos titulares se desconhecem pode acarretar riscos para a liberdade de informação e, nesse sentido, para a própria Democracia”.

O jornalista defendeu que um título como o Diário de Notícias “devia ser classificado como património nacional”.

“A semana passada foi especialmente devastadora, com o encerramento de vários títulos, um despedimento colectivo de 50 profissionais, um corte assustador no orçamento de uma agência [noticiosa Lusa] e o anúncio da venda de vários títulos históricos a um grupo não português”, defendeu José Pedro Castanheira.

O Diário Económico avançou na quinta-feira que o empresário Joaquim Oliveira vendeu a Controlinveste, grupo que detém o Diário de Notícias, Jornal de Notícias, TSF, O Jogo e 23 por cento da Lusa a um grupo angolano.

José Pedro Castanheira falava na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, na apresentação da biografia que escreveu do ex-Presidente da República Jorge Sampaio, cujo primeiro volume levou cinco anos de investigação, cerca de 150 entrevistas e a consulta de arquivos em Portugal e no estrangeiro.

O jornalista e antigo presidente do Sindicato dos Jornalistas considerou que “é preciso recuar muitos anos, mesmo décadas, para encontrar uma crise de dimensões semelhantes” na comunicação social portuguesa.

“A instabilidade e a incerteza, são dos piores inimigos do jornalismo. As redacções carecem de um mínimo de tranquilidade para poderem trabalhar e servir bem a opinião pública”, afirmou.

“O bom jornalismo requer tempo para a investigação, memória para a contextualização, qualidade na escrita e na imagem, profissionais cultos, especializados e competentes, uma opinião plural e diversificada, direcções capazes de imprimir uma orientação editorial autónoma”, sublinhou.

Para o jornalista, “é nos momentos de crise que mais se sente a falta dos verdadeiros empresários do ‘métier’, que saibam investir no médio e no longo prazo, que apostem na qualidade, que acreditem no valor supremo que é a liberdade de informação, que privilegiem o diálogo como principal instrumento de gestão dos recursos humanos”.

“Com o desemprego galopante e um sistema de ensino que todos os anos inunda o mercado de jovens jornalistas dispostos a tudo em troca de uma oportunidade, nunca como agora o trabalho teve tanto valor, e como bem escasso que é, provavelmente, o trabalho tem de ser mais partilhado”, sustentou.

“Estarão os governantes, os empresários, as direcções editoriais e as estruturas sindicais, dispostas a um esforço de diálogo permanente para salvar o jornalismo de qualidade, acautelar postos de trabalho, garantir o serviço público e o interesse da opinião pública? Fica a pergunta, para a qual, infelizmente, não tenho resposta”, expôs.

José Pedro Castanheira fez ainda “votos para que o bom senso e o espírito de decência prevaleçam na condução do dossier RTP, reconduzindo a rádio e a televisão do Estado à sua função essencial e insubstituível de serviço público”. (Lusa)

Cada jornalista despedido é mais um prego no caixão da democracia

Texto do Daniel Oliveira, no Expresso.

Ontem a Lusa esteve em greve. Os despedimentos põem em causa um serviço público que apenas esta agência noticiosa pode garantir. O País sabe qualquer coisa sobre regiões onde, para além da imprensa local, ninguém tem correspondentes. Depois desta razia a ideia de que “Portugal é Lisboa e o resto é paisagem” estará mais próxima da verdade. Uma parte de Portugal será invisível. Mais: a Lusa é responsável por cerca de 70% das notícias que se publicam em Portugal. O corte em 31% do seu orçamento é uma machadada do Estado na já tão frágil comunicação social portuguesa. E as primeiras vítimas do silenciamento serão seguramente as já isoladas populações do interior.

Na sexta-feira, o “Público” esteve em greve. Em causa está um despedimento colectivo de 43 pessoas e 36 jornalistas que torna virtualmente impossível que ali se continue a fazer um jornal de referência, com uma edição em papel e online. Anteriores despedimentos tiveram já efeitos visíveis na qualidade média do jornal. Com mais este, não é sequer sério pensar que quem fica pode garantir o mínimo de qualidade e de rigor que a profissão exige. Será um enorme passo para a tabloidização definitiva da imprensa portuguesa.

Continua, sem se saber ao certo do que se trata, a falar-se da compra da Controlinveste por um grupo angolano, muito provavelmente próximo do regime de Luanda. “Diário de Notícias”, “Jornal de Notícias” e TSF nas mãos de uma ditadura. Como já aconteceu noutros casos, não sabe ao certo quem são estes compradores, o que não deixa de ser preocupante quando falamos da compra de órgãos de comunicação social, que em princípio devem garantir a transparência, não apenas na vida política mas também na vida empresarial.

RTP vive um clima de incerteza, sempre na iminência de ver um dos seus canais em mãos angolanas. O clima de pressão sente-se. A semana passada, o canal ARTE, que realizava uma reportagem sobre a situação da televisão pública portuguesa, foi impedido pela administração da empresa de entrar nas instalações. Um excelente cartão de visita para quem deve defender a liberdade de informar. Mas é natural que alguém que nunca trabalhou neste ramo e se tem dedicado mais aos finos e às imperiais não perceba a especificidade deste “negócio”. E a importância da sua transparência e credibilidade.

Isto são apenas as situações mais visíveis. Na generalidade das redações de jornais, televisões e rádios trabalha-se sem meios, no fio da navalha, à beira do abismo. E todos fazem contas a quanto tempo durará o título que fazem chegar às bancas e a rádio que nós podemos ouvir. A crise profunda da comunicação social, que é internacional e resulta, antes de tudo, do acesso gratuito, via Internet, a informação produzida com custos, agravou-se muito desde 2008. E em Portugal, onde a situação já era mais precária, agravou-se ainda mais desde que a austeridade assentou arraiais. Se as coisas continuarem como estão não sobreviverá quase nenhuma informação que mereça ser lida. Seremos cegos, surdos e mudos.

Nada do que aqui escrevo é específico das empresas de comunicação social. Milhares de empresas vivem situações dramáticas. Os jornalistas não merecem de mim mais solidariedade do que um empregado de balcão, um carpiteiro ou um enfermeiro. Mas as consequências da crise nos media vão muito para além das sociais e económicas. É a democracia que está em perigo. E sem ela não há futuro para nós.

Um País em crise e desagregação, com um poder político sem autoridade moral e uma população descrente nas instituições, a ser vendido ao desbarato em negócios pouco transparentes, é terreno fértil para o populismo e para a corrupção. E uma população mal informada é a vítima ideal para os oportunistas da crise. Os que ganham dinheiro com ela e os que esperam com ela ganhar votos.

Imaginem este país informado quase exclusivamente pelo “Correio da Manhã” e sucedâneos. Imaginem um canal de televisão, uma rádio e vários jornais (DN, JN, I, Sol) nas mãos dos homens de negócios próximos da ditadura angolana. Imaginem jornais feitos por meia dúzia de estagiários, impreparados e indefesos perante todas as pressões. Imaginem jornais sem meios para investigar e jornalistas com medo de investigar. Diretores com medo de administradores e administradores com medo de anunciantes e políticos. Imaginem que tudo o que sobra são as notícias encomendadas e as investigações entregues ao domicílio. Não precisam de imaginar. Estamos praticamente lá.

O País discute a corrupção, os abusos, a prepotência. Mas é com a situação dramática em que está a comunicação social que tudo isto pode florescer. Na obscuridade. Não se indignarão os portugueses. Porque não saberão de nada.

A luta que os jornalistas da Lusa, do “Público” e de outros órgãos de comunicação social estão a travar não é apenas uma luta pelo seu emprego. É uma luta pela democracia. Não é apenas uma luta deles. É nossa. Se a perderem, bem podemos arrumar as botas. É que o Facebook não faz investigações, os blogues não pagam reportagens e os comentários nos sites não têm código deontológico. Até haver uma alternativa, não há jornalismo sem jornalistas. E sem jornalismo não há democracia.

Ninguém pode obrigar homens de negócios a manter jornais, televisões e rádios que são deficitárias. Mas podemos impedir que seja o Estado um dos motores da destruição de um pilar fundamental da democracia. E podemos todos, e não apenas os jornalistas, a começar um debate urgente: como vamos, como comunidade, garantir uma imprensa livre? É que mais do que um negócio, ela é condição para a nossa democracia. Se os homens de negócios não a querem, temos nós todos que encontrar uma solução. Ou aceitar viver na ignorância. Roubados no poder de decidir o nosso futuro, só falta mesmo roubarem-nos o poder de saber o que fazem os que decidem o nosso futuro. Seremos então uma ditadura perfeita: todos os direitos democráticos formais garantidos, nenhum instrumento para os usar.

 

Pelo jornalismo, pela democracia

Este é um manifesto que resultou da iniciativa de um grupo de jornalistas. É apenas o primeiro passo de uma iniciativa que pretende ser mais ampla. Nos próximos dias todos os jornalistas, bem como todos os cidadãos vão ser convidados a assinar e a participar.

Pelo jornalismo, pela democracia
A crise que abala a maioria dos órgãos de informação em Portugal pode parecer aos mais desprevenidos uma mera questão laboral ou mesmo empresarial. Trata-se, contudo, de um problema mais largo e mais profundo, e que, ao afectar um sector estratégico, se reflecte de forma negativa e preocupante na organização da sociedade democrática.
O jornalismo não se resume à produção de notícias e muito menos à reprodução de informações que chegam à redacção. Assenta na verificação e na validação da informação, na atribuição de relevância às fontes e acontecimentos, na fiscalização dos diferentes poderes e na oferta de uma pluralidade de olhares e de pontos de vista que dêem aos cidadãos um conhecimento informado do que é do interesse público, estimulem o debate e o confronto de ideias e permitam a multiplicidade de escolhas que caracteriza as democracias.  O exercício destas funções centrais exige competências, recursos, tempo e condições de independência e de autonomia dos jornalistas. E não se pode fazer sem jornalistas ou com redacções reduzidas à sua ínfima expressão.
As lutas a que assistimos num sector afectado por despedimentos colectivos, cortes nos orçamentos de funcionamento e precarização profissional extravasa, pois, fronteiras corporativas.
Sendo global, a crise do sector exige um empenhamento de todos – empresários, profissionais, Estado, cidadãos – na descoberta de soluções.
A redução de efectivos, a precariedade profissional e o desinvestimento nas redacções podem parecer uma solução no curto prazo, mas não vão garantir a sobrevivência das empresas jornalísticas. Conduzem, pelo contrário, a uma perda de rigor, de qualidade e de fiabilidade, que terá como consequência, numa espiral recessiva de cidadania, a desinformação da sociedade, a falta de exigência cívica e um enfraquecimento da democracia.
Porque existe uma componente de serviço público em todo o exercício do jornalismo, privado ou público;
Porque este último, por maioria de razão, não pode ser transformado, como faz a proposta do Governo para o OE de 2013, numa “repartição de activos em função da especialização de diversas áreas de negócios” por parte do “accionista Estado”;
Porque o jornalismo não é apenas mais um serviço entre os muitos que o mercado nos oferece;
Porque o jornalismo é um serviço que está no coração da democracia;
Porque a crise dos média e as medidas erradas e perigosas com que vem sendo combatida ocorrem num tempo de aguda crise nacional, que torna mais imperiosa ainda a função da imprensa;
Porque o jornalismo é um património colectivo;
Os subscritores entendem que a luta das redacções e dos jornalistas, hoje, é uma luta de todos nós, cidadãos.
Por isso nela nos envolvemos.
Por isso manifestamos a nossa solidariedade activa com todos os que, na imprensa escrita e online, na rádio e na televisão, lutando pelo direito à dignidade profissional contra a degradação das condições de trabalho, lutam por um jornalismo independente, plural, exigente e de qualidade, esteio de uma sociedade livre e democrática.
Por isso desafiamos todos os cidadãos a empenhar-se nesta defesa de uma imprensa livre e de qualidade e a colocar os seus esforços e a sua imaginação ao serviço da sua sustentabilidade.
Proponentes:
Adelino Gomes
Alfredo Maia – JN (Presidente do Sindicato de Jornalistas)
Ana Cáceres Monteiro, Media Capital
Alexandre Manuel – Jornalista e Professor Universitário
Ana Goulart – Seara Nova
Ana Romeu – RTP
Ana Sofia Fonseca – Expresso
Ana Tomas Ribeiro – Lusa
Anabela Fino – Avante
António Navarro – Lusa
António Louçã – RTP
Camilo Azevedo – RTP
Carla Baptista – Jornalista e Professor Universitária
Cecília Malheiro – Lusa
Cesário Borga
Cristina Martins – Expresso
Catarina Almeida Pereira – Jornal de Negócios
Cristina Margato – Expresso
Daniel Ricardo – Visão
Diana Ramos – Correio da Manhã
Diana Andringa
Elisabete Miranda – Jornal de Negócios
Frederico Pinheiro – SOL
Fernando Correia – Jornalista e Professor Universitário
Filipe Silveira – SIC
Filipa Subtil – Professora Universitária
Filomena Lança – Jornal de Negócios
Hermínia Saraiva – Diário Económico
Joaquim Fidalgo
Joaquim Furtado
Jorge Araújo – Expresso
José Milhazes – SIC / Lusa (Moscovo)
José Vitor Malheiros
João Carvalho Pina – Kameraphoto
João Paulo Vieira – Visão
João d’Espiney, Público
José Luiz Fernandes – Casa da Imprensa
José Manuel Rosendo – RDP
José Rebelo – Professor e ex-jornalista
Luis Andrade Sá – Lusa (Delegação de Moçambique)
Luis Reis Ribeiro – Dinheiro Vivo
Liliana Pacheco – Jornalista (investigadora)
Luciana Liederfard – Expresso
Luísa Meireles – Expresso
Maria de Deus Rodrigues – Lusa
Maria Flor Pedroso – RDP
Maria Júlia Fernandes – RTP
Martins Morim – A Bola
Manuel Esteves – Jornal de Negócios
Manuel Menezes – RTP
Margarida Metelo – RTP
Margarida Pinto – Lusa
Mário Nicolau – Revista C
Miguel Marujo- DN
Miguel Sousa Pinto – Lusa
Mónica Santos – O Jogo
Nuno Pêgas – Lusa
Nuno Aguiar – Jornal de Negócios
Nuno Martins – Lusa
Nuno Tiago Pinto – Sábado
Oscar Mascarenhas – DN
Patrícia Fonseca – Visão
Paulo Pena – Visão
Pedro Rosa Mendes
Pedro Caldeira Rodrigues – Lusa
Pedro Sousa Pereira – Lusa
Pedro Manuel Coutinho Diniz – Professor Universitário
Pedro Pinheiro – TSF
Raquel Martins – Publico
Rui Cardoso Martins
Ricardo Alexandre – Antena 1
Rosária Rato – Lusa
Rui Peres Jorge – Jornal de Negócios
Rui Nunes – Lusa
Sandra Monteiro – Le Monde Diplomatique
Sofia Branco – Lusa
Susana Venceslau – Lusa
Tomas Quental – Lusa
Tiago Dias – Lusa
Tiago Petinga -Lusa
Vitor Costa – Lusa

O declínio?

Nos Estados Unidos, o suposto bastião da democracia e da imprensa livre, a credibilidade dos órgãos de comunicação social desceu pela segunda vez numa década.  É a conclusão de um estudo do Pew Research Center for the People & the Press. O The New York Times, por exemplo, está entre os pior classificados. E por cá, como seria se houvesse um estudo semelhante? Qual a credibilidade que cada um dos jornais, revistas e televisões nos merece? Palpites aceitam-se.

O poder do jornalismo

“Journalism and democracy will live and die together.” Há dois anos que esta frase não me sai da cabeça. Ouvi-a da boca de Bill Kovach, fundador do Committee of Concerned Journalists e co-autor de Os Elementos do Jornalismo, numa pequena sala de Washington D.C. com mais nove camaradas que, como eu, tiveram a oportunidade de frequentar uma formação patrocinada pela FLAD. Lembro-me dela, sobretudo, cada vez que surge nos jornais um exemplo da diminuição da qualidade da nossa democracia. E não consigo separar esse facto dos cortes nas redacções e da consequente perda de qualidade do jornalismo português.

Numa época em que as redacções têm cada vez menos meios e em que o poder económico parece querer controlar a independência editorial dos meios de comunicação social, é bom recordar que um jornalismo livre é fundamental numa sociedade democrática. Mais: quando os jornalistas enfrentam o poder e cumprem o seu papel, o mundo pode tornar-se um lugar melhor. A prova do poder do jornalismo está aqui na recolha feita em The I Files. São exemplos clássicos, mas esclarecedores.