Tiananmen: os chineses nunca viram esta fotografia

dont-try-searching-for-tiananmen-square-in-china-today

Amanhã assinalam-se os 25 anos do massacre de Tiananmen – um acontecimento que, segundo a história oficial do governo chinês, nunca ocorreu. Uma simples pesquisa na internet com termos relacionados com o massacre não leva a lado nenhum: eles foram bloqueados nos motores de busca. Por isso, um quarto de século depois, a maioria dos chineses nunca viram a imagem icónica de um estudante desconhecido a fazer frente a uma fila de tanques. Queremos fazer algo sobre isso: é assinar a petição da Repórteres Sem Fronteiras.

25anstiananmen-fr_bd-73b92

 

Ai Weiwei: 100 fotos para a liberdade de imprensa

Ai Weiwei, Junho 1994

Ai Weiwei, Junho 1994

O dissidente chinês Ai Weiwei cedeu à Repórteres Sem Fronteiras aquelas que entendeu serem as suas melhores 100 imagens para a elaboração do álbum “100 fotos para a liberdade de imprensa”. As receitas das vendas destinam-se a financiar a organização. Mas, para o produzir, a RSF precisa de 10 mil euros que está a angariar através de crowdfunding.  Quem quiser ajudar, pode fazê-lo aqui.

Estamos à frente de ingleses, americanos e espanhóis…

Web

… mas atrás de Cabo Verde, Namíbia e Jamaica. Portugal subiu 5 posições no ranking da liberdade de Imprensa publicado anualmente pela organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Da 33ª posição ocupada em 2011, Portugal passou para o 28 lugar de uma lista que, como no ano passado, continua a ser liderada pela Finlândia  Holanda e Noruega. Nos últimos lugares permanecem o Turcomenistão, a Coreia do Norte e a Eritreia. Síria  Somália, Irão e China ocupam os postos seguintes. Numa análise detalhada, ao longo do ano Portugal mereceu duas referências da RSF: satisfação pela decisão do tribunal de Lisboa de condenar o deputado Ricardo Rodrigues ao pagamento de €4.950 por roubar os gravadores dos jornalistas da SÁBADO, Maria Henrique Espada e Fernando Esteves, durante uma entrevista realizada em Abril de 2010; preocupação pelo despedimento de Pedro Rosa Mendes da Antena 1 após a emissão de uma crónica muito crítica em relação à actuação do governo.