As generalizações e o dedo espetado de José Rodrigues dos Santos

Ele é um repórter experiente. É o mais antigo pivot de telejornal do País. Goza de um estatuto ímpar na RTP. É um escritor de sucesso. Tem opiniões fortes. E não hesita em dá-las. Até aqui tudo bem. O problema é quando José Rodrigues dos Santos deixa as convicções pessoais interferir com o seu trabalho. Ou quando decide fazer uma das coisas mais perigosas e injustas que um jornalista pode fazer: as generalizações. E ao serviço da RTP.

No passado SÁBADO, José Rodrigues dos Santos fez uma peça de quatro minutos para o telejornal carregada de generalizações, todas elas negativas para a população grega. O repórter da RTP diz vezes sem conta que “os gregos” cobriram as piscinas para fugirem ao fisco, “os gregos” inventam mil estratagemas para não pagar impostos. Sim, alguns farão, mas [todos] “os gregos”?

A certa altura, diz na peça: “Muitos dos gregos que passam a pé diante da cada do ex-ministro da defesa, são paralíticos… ou melhor subornaram um médico para obter uma certidão fraudulenta de deficiência que lhes permite receber mais um subsidiozinho”. Tem a certeza? Muitos? Falou com alguns? Com um? Quem lhe disse que aquelas pessoas que passam diante da casa fez algo do género? Aparentemente, ninguém. É uma conclusão. Ou uma convicção. Ou uma generalização.

No entanto, mais grave do que o que a peça transmite, foi o tom adoptado pelo experiente repórter da RTP no directo que se seguiu. Com ar indignado, de dedo espetado para condenar as atitudes “dos gregos”, José Rodrigues dos Santos adoptou uma postura mais própria de um líder populista ou de um reformado indignado que opina sobre o que se passa no mundo à mesa do café do que de um jornalista com obrigações de isenção. Por várias vezes diz que “os gregos” defendem que a Europa é que tem de lhes resolver os problemas (mais uma generalização). E pior: a certa altura diz que falou com “elementos próximos do governo grego” que dizem que a inflação está controlada. No entanto, não hesita em dizer que isso “não é verdade”. No entanto, não duvida da palavra de “um grego” que lhe disse que a sogra distribuiu envelopes no hospital para o marido ser atendido. Ou seja, assume um lado.

José Rodrigues dos Santos é um repórter experiente. Tem um estatuto ímpar. Exactamente por isso, não deve esquecer os deveres de jornalista. Nem assumir lados – o que não implica omitir as situações que descreve nas suas peças. Pelo contrário. Deve dá-las. Mas sem generalizar. Nem espetar o dedo.

Anúncios

A batalha, parte dois: José Sócrates vs José Rodrigues dos Santos

Se dúvidas houvesse de que José Sócrates não concordou com a mudança de estilo do seu programa de comentário político ontem à noite elas ficaram desfeitas. Na segunda vez em que partilhou o ecrã com José Rodrigues dos Santos, o ex-primeiro-ministro mostrou ao que vinha: passou toda a emissão ao ataque e a tentar irritar o jornalista da RTP com referências constantes aos “seus arquivos”. (Enquadramento: há 15 dias, José Rodrigues dos Santos disse que tinha estado a “organizar os arquivos” e que foi por isso que encontrou as divergências de opinião de Sócrates relativamente à austeridade).

Para além disso, José Sócrates não pareceu tão bem preparado como prometeu. Ou melhor: José Rodrigues dos Santos pareceu ainda melhor preparado do que ele. Munido de documentos oficiais que citou incessantemente, foi, afinal, o pivot da RTP quem conseguiu irritar o ex-líder do PS. Sócrates começou por dizer: “este programa chama-se a minha opinião, se me permite, gostaria de dar a minha opinião. Já ouvimos o seu ponto de vista”. Mas piorou. Novamente confrontado com uma “opinião” diferente da sua, Sócrates partiu para o insulto: “Eu compreendo o seu ponto de vista. Você acha que se deve comportar no sentido de colocar-se no papel do ‘advogado do diabo’… estou a citá-lo bem? Só que até o advogado do diabo pode ser inteligente e pode perceber que não basta papaguearmos tudo aquilo que nos dizem para fazer uma entrevista”. Colocado numa situação muito difícil – em directo – Rodrigues dos Santos disse apenas: “Muito bem. Fica registado o seu insulto ao qual não vou responder”.

Como já disse aqui, acho que o formato assim não faz sentido. Uma entrevista semanal a José Sócrates sobre o seu passado como governante não tem grande futuro – para além do interesse inicial. Agora ou a RTP quer acabar com o programa ou deixa de o identificar como um espaço de opinião. Que deixou de ser há 15 dias. Como ainda não foi colocada no YouTube, a entrevista está aqui.

José-Socrates

O comentário/entrevista de José Sócrates também está no YouTube

No canal da RTP

A cilada de José Rodrigues dos Santos a José Sócrates

É isto. Pelo Daniel Oliveira, no Expresso online.

“A cilada da RTP a Sócrates

Daniel Oliveira

Não tenho qualquer problema com espaços de comentário televisivo de pessoas que tenham tido responsabilidades governativas. Tenho dúvidas da sua utilidade informativa, mas parece indiscutível que têm saída. Entre os comentadores políticos temos quatro ex-líderes do PSD, um ex-líder do PS, um ex-líder do BE, dois ex-primeiros-ministros e muitos ex-ministros. Por uma qualquer razão que me escapa, apenas um levantou grande celeuma, com petições e protestos. Mas adiante.

O modelo usado na maioria dos espaços ocupados por estes comentadores é o mesmo: um jornalista lança os temas, eles comentam. Não é uma entrevista, que seria absurdo, já que teria de se repetir todas as semanas e a coisa acabaria por se esgotar. Também não é um modelo de confronto. Marcelo comentou anos na RTP, tendo até, durante algum tempo, uma excelente jornalista (Flor Pedroso) a chamar-lhe a atenção para alguma contradição no seu comentário, sem que nunca se tivesse chegado ao ponto dum enfrentamento ou duma entrevista. O que é natural: ou bem que se tem um comentador que comenta e o registo é amistoso, ou bem que se tem um entrevistado que se entrevista e o registo é um pouco mais distanciado, ou bem que se tem um opositor com que se debate, para o qual se chama um debatente qualificado, e o registo é mais crispado. Até se pode arriscar, mudar as coisas e ter comentadores que são tratados com agressividade. Em todos os casos, mandam as regras que quem ali vai saiba o que o espera. Se não se montam armadilhas a entrevistados, por maioria de razão não se faz tal coisa a um comentador da estação. E os telespetadores também é suposto saberem o que é aquilo a que estão a assistir.

No último domingo assistimos a um dos momentos mais bizarros do jornalismo nacional. A jornalista que costuma acompanhar o espaço de comentário de José Sócrates foi substituída por José Rodrigues dos Santos (e, alternado, João Adelino Faria). Pelo menos de quinzenalmente, um espaço de comentário passou a ser um espaço de entrevista agressiva. Mudança para qual o entrevistado evidentemente não tinha sido prevenido. As coisas não foram tomando esse caminho. Foram planeadas. Era evidente que o “entrevistador” se tinha preparado, estando munido de material do “seu arquivo”, disse este autor de tantos trabalhos jornalísticos sobre a política nacional (ironia), que não lhe caiu na mesa à última da hora. E que não deu ao comentador transformado em entrevistado a mesma possibilidade de preparação. É que (sei o que digo) a preparação para fazer um comentário é diferente da preparação para uma entrevista.

Nunca, em anos e anos de comentário político de Marcelo Rebelo de Sousa ou qualquer outro ex-dirigente partidário transformado em comentador, tal aconteceu. Muito mais grave: nunca o atual primeiro-ministro foi entrevistado com tanta agressividade na RTP. Muito menos foi confrontado, de forma tão sistemática, com as inúmeras contradições entre o que disse no passado e o que diz agora. Mais estranho ainda: nunca o anterior primeiro-ministro, o mesmíssimo José Sócrates, foi entrevistado com esta agressividade na RTP quando exercia funções. O que só pode querer dizer que a RTP tem mais respeito pelos primeiros-ministros em funções do que pelas pessoas que convida para ter espaços de comentário na estação. Mesmo quando a pessoa é a mesma.

Não me custa nada ver um jornalista a confrontar José Sócrates com as suas incoerências. Com o que disse no passado e diz no presente, que muitas vezes é diferente. Pelo contrário, acho muitíssimo justo que isso seja feito. Se lamento alguma coisa, é não ver o mesmo exercício experimentado com outros ex-políticos comentadores. E preferia que fosse feito por jornalistas com mais preparação política do que o cidadão comum, para não passarem pelo desnecessário enxovalho que passou Rodrigues dos Santos. Até porque algumas dúvidas eram pertinentes. Só faltava o jornalista conseguir perceber o que estava a perguntar. Sócrates quis regressar para se bater pelo seu legado político, não vejo mal nenhum que seja confrontado com ele. O que me parece um pouco estranho é que a RTP o convide para fazer comentário político – quando era necessário ensombrar Seguro com a anterior liderança – e, sem aviso nem razão aparente, esse espaço passe a ser, quando essa função deixa de ser útil ao governo, de julgamento político do comentador.

Sabendo alguma coisa de jornais e televisões, não tenho qualquer dúvida que José Rodrigues dos Santos não agiu espontaneamente nem sequer por decisão individual. Tratou-se, vamos chamar as coisas pelos nomes, de uma encomenda. Basta ver Rodrigues dos Santos com Morais Sarmento para saber que não se trata de um “estilo”. Mas ainda que se tratasse, esse estilo tem um problema: o debate agressivo exige muita preparação política. E, quando de um dos lados está um jornalista, exige uma enorme habilidade para que este não passe a ser visto pelos telespetadores como uma das partes. No fim, depois de várias semanas a que Sócrates, com bastante experiência de debate, resistirá facilmente, será Rodrigues dos Santos que ficará a perder na sua própria imagem de isenção. Foi ele que subiu a parada. Parece-me que não percebeu bem em que jogo perigoso se meteu.

Estou-me nas tintas para a facilidade ou dificuldade que aquele momento teve para Sócrates. Estou-me ainda mais nas tintas para os amores e ódios que o homem provoca em tanta gente. Confesso que esta relação passional com os políticos me deixa sempre indiferente. Interessam-me, isso sim, os jogos políticos que se fazem na televisão pública nacional. Tenho as minhas teorias. O objetivo do convite feito a Sócrates para ter um espaço de comentário era fragilizar Seguro o suficiente para que a sua liderança nunca se impusesse no PS. Era garantir, através da sombra do ex-primeiro-ministro, um líder fraco na oposição. Não era dar a Sócrates a oportunidade de ser o ator político com mais influência na base eleitoral socialista, capaz de dificultar futuros entendimentos do PS com o PSD.

O papel de Sócrates está cumprido. Depois de lhe facilitar a vida, agora trata-se de a dificultar. Há que o empurrar para fora da RTP. Apenas se esquecem de uma coisa: se há político que não é fácil empurrar é este. Esse é, aliás, um dos segredos da sua popularidade e da sua impopularidade. E não me parece que Rodrigues dos Santos chegue para tal empreitada. Mesmo quando o tenta através de uma inaceitável cilada, oferecendo-se a si próprio a vantagem de não ter previamente dado ao entrevistado a relevante informação de que iria estar numa entrevista.

Nota: José Rodrigues dos Santos respondeu à polémica que ali aconteceu. Diz que Sócrates sabia de tudo porque lhe disse num almoço. Porque não estive no almoço, não sei nem tenho como saber o que em rigor foi dito e tenho pouco paciência para o diz que disse. Fico-me por o que ouvi na RTP: Sócrates disse “não vinha preparado para isto” e José Rodrigues dos Santos não o desmentiu, “olhos nos olhos”. É toda a informação rigorsa que tenho. Em todo o seu esclarecimento, Rodrigues dos Santos fala permanentemente numa “entrevista”. Desconhecia que a RTP tinha uma entrevista semanal com José Sócrates, outra com Morais Sarmento e no passado teve anos de entrevistas semanais com Marcelo Rebelo de Sousa. Seria bom, então, que o espaço “Opinião de José Sócrates” (assim se chama) mudasse de nome, para não levar ao engano os telespetadores. Para facilitar, vou dar uma ajuda: isto que aqui estou a escrever não é uma entrevista. E para os jornalistas a distinção clara do que é opinião e do que é outro género costumava ser importante. Rodrigues dos Santos não gosta de espaços de opinião com a participação de jornalistas? É um bom debate e dele só poderia resultar a sua não participação naquele espaço. Mas entrevistas semanais à mesma pessoa é coisa que nunca se viu em lado algum. E “entrevistas confrontacionais” semanais, com a mesma pessoa, são uma impossibilidade prática. Como deveria saber Rodrigues dos Santos se estivesse de boa-fé em todo este episódio.”

José-Socrates

O estilo de José Rodrigues dos Santos com Morais Sarmento

“É uma questão de estilo do jornalista. Quando o José Rodrigues dos Santos fizer o programa de comentário de Morais Sarmento, acredito que será igual. Embora também saibamos que é diferente falar com um ex-primeiro-ministro como José Sócrates ou com alguém que foi ministro, como Morais Sarmento. Os graus de responsabilidade são diferentes”

O comentário à postura de José Rodrigues dos Santos perante José Sócrates é de José Manuel Portugal, director de informação da RTP e foi feito ontem, ao Expresso online (o sublinhado é meu). Mas tem uma incorrecção: José Rodrigues dos Santos já faz o programa de comentário de Nuno Morais Sarmento, à quinta-feira, quando apresenta o Telejornal. E, embora seja realmente diferente falar com José Sócrates – um ex-primeiro-ministro que governou seis anos e assinou o memorando com a troika – ou com o ex-ministro do PSD, o estilo não é igual. Como se pode ver aqui, aqui ou aqui.

Sendo Nuno Morais Sarmento um político, ex-ministro e militante do PSD, será interessante perceber o que fez José Rodrigues dos Santos aplicar a noção que tem de qual deve ser o papel de um jornalista perante um político apenas quando se confrontou com José Sócrates. Que, volto a dizer, foi um brilhante momento de jornalismo.

rtp-f42e

As justificações de José Rodrigues dos Santos sobre a batalha com José Sócrates

Ontem, o espaço de comentário de José Sócrates, foi transformado numa entrevista à actuação do ex-primeiro-ministro. Ainda não a viram? Então vão aqui, espreitem e depois voltem. Vale a pena.

Agora, que já sabem do que estou a falar, ficam também a saber que na sequência da sua postura confontativa, José Rodrigues dos Santos foi insultado por alegados fiéis de José Sócrates na página que mantém no Facebook para promover os seus livros. Por isso, o jornalista da RTP publicou um longo comunicado sobre o assunto, em que, para além de exibir os galões do seu passado na BBC, explica o seu entendimento sobre qual deve ser o papel de um jornalista numa conversa com um político. É isto que diz Rodrigues dos Santos:

1. A isenção de um jornalista não é obrigatória. Depende da linha editorial do jornal. Não faz sentido esperar que um jornalista do «Avante!», por exemplo, seja isento. A linha editorial do «Avante!» é claramente comunista e um jornalista que não a queira respeitar tem a opção de se ir embora. Há muitos casos que se podem encontrar de linhas editoriais que implicam alinhamentos (partidários, desportivos, ideológicos, etc).

2. No caso da RTP, a linha editorial é de isenção. Isto acontece porque se trata de um meio público, pago por todos os contribuintes, pelo que deve reflectir as diferentes correntes de opinião. Os jornalistas esforçam-se por escrever as notícias com neutralidade e, nos debates, os moderadores esforçam-se por permanecer neutrais.

3. Nas entrevistas, no entanto, as regras podem mudar. Há dois tipos de entrevista: a confrontacional (normalmente a entrevista política) e a não confrontacional. Em ambos os casos a isenção pode perder-se, não porque o entrevistador seja pouco profissional, mas justamente porque é profissional. Por exemplo, numa entrevista não confrontacional com a vítima de uma violação é normal que o entrevistador se choque com o que aconteceu à sua entrevistada. Estranho seria que ele permanecesse indiferente ao sofrimento. Não se trata um violador e uma mulher violada da mesma maneira, não se trata um genocida e uma pessoa que perdeu a família inteira da mesma maneira – a regra da isenção não se aplica necessariamente.

4. As entrevistas políticas são, por natureza, confrontacionais (estranho seria que não fossem e que jornalista e político tivessem uma relação de cumplicidade). Uma vez que o agente político que está a falar não tem ninguém de outra força política que lhe faça o contraditório (como aconteceria num debate), essa função é assumida pelo entrevistador. O entrevistador faz o contraditório, assume o papel de advogado do diabo. Portanto, o jornalista suspende por momentos a sua isenção para questionar o entrevistado. Isto é uma prática absolutamente normal. O entrevistador não o faz para “atacar” o entrevistado, mas simplesmente para fazer o contraditório. Acontece até frequentemente fazer perguntas com as quais não concorda, mas sabe que o seu papel é fazer de “oposição” ao entrevistado.

5. Dizem os manuais de formação da BBC, e é assim que entendo o meu trabalho, que o entrevistador não é nem pode ser uma figura passiva que está ali para oferecer um tempo de antena ao político. O entrevistador não é o “ponto” do teatro cuja função é dar deixas ao actor. Ele tem de fazer perguntas variadas, incluindo perguntas incómodas para o entrevistado. Não deve combinar perguntas com os políticos, mas deve informá-lo dos temas. No acto da entrevista o entrevistado “puxa” pela sua faceta positiva e o entrevistador confronta-o com a sua faceta potencialmente negativa. Espera-se assim que o espectador veja as duas facetas.

6. Uma vez apresentado o princípio geral, vejamos o caso de José Sócrates. É falso que José Sócrates desconhecesse esta minha linha de pensamento. Almoçámos e expliquei-lhe o meu raciocínio. Avisei-o de que, se encontrasse contradições ou aparentes contradições entre o que diz agora e o que disse e fez no passado, as colocaria frente a frente e olhos nos olhos, sem tergiversações nem subterfúgios, como mandam as regras da minha profissão. Far-me-ão a justiça de reconhecer que fiz o que disse que ia fazer.

7. Como todas as figuras polémicas, José Sócrates é amado por uns e odiado por outros. É normal com as figuras públicas, passa-se com ele e passa-se comigo e com toda a gente que aparece em público. Mas o que se está a passar com ele é que muita gente fala mal nas costas e ninguém pelos vistos se atreve a colocar-lhe as questões frontalmente. Fui educado fora de Portugal e há coisas que me escapam sobre o país, mas dizem-me que é um traço normal da cultura portuguesa: falar mal pelas costas e calar quando se está diante da pessoa. Acho isso, devo dizer, lamentável. Quando alguém é muito atacado, devemos colocar-lhe frontalmente as questões para que ele tenha o direito de as esclarecer e assim defender-se. Foi o que foi feito na conversa com José Sócrates. As questões que muita gente coloca pelas costas foram-lhe apresentadas directamente e ele defendeu-se e esclareceu-as. Se o fez bem ou mal, cabe ao juízo dos espectadores.

8. O caso de José Sócrates tem alguns contornos especiais e raros. Ele foi Primeiro-Ministro durante seis anos e acabou o mandato com o país sob a tutela da troika. Quando era chefe do Governo, começou a aplicar medidas de austeridade. No PEC I foram muito suaves (cortes em deduções fiscais e outras coisas), mas foram-se agravando no PEC II (aumento de impostos) e no chamado PEC III, que na verdade era o Orçamento de 2011 (corte de salários no sector público, introdução da Contribuição Especial de Solidariedade aos pensionistas, aumento de impostos, cortes nas deduções, etc). Defendendo estas medidas, afirmou em público que “a austeridade é o único caminho”. Agora, nas suas declarações públicas, ele mostra-se contra a austeridade. Estamos aqui, pois, perante uma contradição – ou aparente contradição. Não tem um jornalista o dever de o colocar perante essa (aparente ou não) contradição, dando-lhe assim oportunidade para esclarecer as coisas?

9. Na entrevista não é para mim necessariamente relevante se ele tinha razão quando aplicou a austeridade ou se tem razão agora que critica a austeridade. O que é relevante é que há uma aparente contradição e cabe ao jornalista confrontá-lo com ela. Foi o que foi feito e ele prestou os seus esclarecimentos. Se foi convincente ou não, cabe a cada espectador ajuizar, não a mim. Limitei-me a apresentar-lhe directamente os problemas e a dar-lhe a oportunidade de os esclarecer. O meu trabalho ficou completo.

10. Como disse no ponto 8, o caso de José Sócrates é raro. Não é muito normal termos entrevistados com as circunstâncias dele. O tipo de conversa que era necessário para esclarecer as coisas não nasce do facto de ele ser do PS, mas das suas circunstâncias únicas. Se o entrevistado fosse, por exemplo, Ferro Rodrigues ou Maria de Belém ou Francisco Assis ou qualquer outra figura do partido, o perfil da conversa teria de ser diferente porque nenhum deles teve funções de Primeiro-Ministro durante tanto tempo e imediatamente antes da chegada da troika nem entrou num discurso tão aparentemente contraditório como José Sócrates. São as suas circunstâncias específicas que exigem uma abordagem específica. Se o Primeiro-Ministro que governou nos seis anos antes da chegada da troika fosse do PSD, CDS, PCP, BE, MRPP ou o que quer que seja, e fizesse declarações tão aparentemente contraditórias com o que disse e fez quando governava, não tenham dúvidas de que as minhas perguntas seriam exactamente as mesmas.

11. No final, temos de nos perguntar: José Sócrates esclareceu bem a sua posição? Essa resposta cabe a cada um e aí não meto eu o dedo. Limitei-me a dar-lhe a oportunidade de tudo esclarecer.

12. E aquele espaço?, perguntarão alguns. É entrevista? É comentário? Boa pergunta. A minha resposta está no ponto 5.

Um abraço a todos.

José Rodrigues dos Santos

Ou seja, José Rodrigues dos Santos entende que aquele espaço que foi apresentado como de “comentário” por parte de José Sócrates não é de opinião. É uma entrevista. Pura e dura. O que levanta algumas questões. Para além de estar a passar um atestado de incompetência a todos os camaradas de profissão que partilham – ou já partilharam – espaços de comentários com políticos (Cristina Esteves, Judite de Sousa, Rodrigo Guedes de Carvalho, Clara de Sousa, Maria da Flor Pedroso, Ana Lourenço, etc), José Rodrigues dos Santos parece ter inventado um novo género jornalístico: a entrevista fixa. 

Normalmente, a importância de uma entrevista mede-se por um conjunto de factores incluindo a sua exclusividade (quanto mais rara, melhor), a relevância do entrevistado e do conteúdo e o momento em que é dada. Sendo aquele um espaço semanal, José Sócrates passará a ser o único político mundial com uma entrevista marcada para o horário nobre de todos os domingos.

Tenho imensas dúvidas de que políticos profissionais mereçam ter um espaço de opinião nos principais telejornais. Já o disse. A sua posição não é isenta e, na maioria das vezes, estão ali a servir um interesse: o deles próprios. No entanto, foi sempre assim que ele foi apresentado: como o espaço de “comentário” de José Sócrates. O entendimento de que  a presença de um jornalista o torna, obrigatoriamente, numa entrevista parece-me, no mínimo, peculiar. Para além disso, será interessante perceber o que acontecerá quando, salvaguardadas as respectivas diferenças, o jornalista da RTP moderar o espaço de comentário de Nuno Morais Sarmento? Será tão agressivo? 

Por fim, saiu uma informação útil do comunicado: José Sócrates não foi totalmente apanhado de surpresa: o jornalista e o ex-primeiro ministro almoçaram e José Rodrigues dos Santos avisou-o de que seria mais interventivo e que lhe apontaria as contradições. Talvez não tenha dito o quanto o faria. 

P.S. – Não estou aqui a defender José Sócrates. Há muito que o ex-primeiro-ministro devia ter sido confrontado com as suas contradições narrativas. E, para que conste, José Rodrigues dos Santos fê-lo muito bem.

rtp-f42e

 

A batalha: José Sócrates vs José Rodrigues dos Santos

Ontem, José Sócrates foi surpreendido por José Rodrigues dos Santos no espaço semanal de comentário na RTP. Quando o ex-primeiro-ministro se preparava para o habitual passeio opinativo, o jornalista surgiu munido com os seus “arquivos”. Uma por uma, foi contrapondo as afirmações de José Sócrates com declarações passadas sobre consensos, negociações, austeridade, dívida, cortes de salários, etc. Não sei o formato mais confrontativo foi combinado. Não pareceu. Nesse caso, apesar de dar um belo momento televisivo e suscitar todo um novo interesse sobre o espaço de comentário, não foi uma decisão honesta. Foi uma armadilha. Desde então, a emissão – ou a batalha televisiva – tem sido partilhada no You Tube e sucessivamente retirada pela RTP dos diversos links devido aos direitos de autor. No entanto, pode ser vista no site da própria RTP. Aqui: Telejornal.

opiniao-jose-socrates