O interrogador

Quando a Wikileaks divulgou os documentos norte-americanos sobre a guerra no Iraque, em 2010, houve um termo que chamou a atenção da realizadora Maggie O’Kane: “Frago 242”, uma abreviatura de “Fragmentary Order 242”, uma directiva para os militares ignorarem a tortura a iraquianos feita por iraquianos. A investigação que se seguiu – e divulgada agora pela Al Jazeera – mostra como o Pentágono enviou um veterano da guerra do Vietname e das operações clandestinas na América Central para coordenar as unidades especiais da polícia cuja missão era obter informações de rebeldes através de detenções secretas e tortura. A certa altura, estes esquadrões da morte chegaram a ter 17 mil elementos que ajudaram à eclosão de uma guerra civil que já fez milhares de vítimas.